This content is not available in your region

Hungria tem dos números mais elevados de violência contra as mulheres

Access to the comments Comentários
De  Euronews
Hungria tem dos números mais elevados de violência contra as mulheres
Direitos de autor  REUTERS/Antony Njuguna (KENYA)   -  

Na Hungria, em oito meses, 27 mulheres morreram vítimas de violência por parte de companheiros ou ex-companheiros.

Na rua, crescem os protestos para a alteração das leis, num país onde uma em cada cinco mulheres numa relação sofre de abuso físico ao pscicológico por parte do parceiro ou ex-parceiro.

As organizações competentes dizem que a mudança tem de vir de cima.

Judit Wirth, diretora da Organização Não Governamental "Mulheres por Mulheres contra a Violência", acredita que "se as leis forem aplicadas de uma forma mais eficaz" por parte das autoridades competentes, a situação "melhoraria bastante".

Erika Renner, um simbolo contra a violência na Hungria

Tornou-se um dos casos mais mediáticos de violência doméstica. Erika Renner foi atacada, sedada e mutilada pelo ex-companheiro.

O processo durou seis anos. Num julgamento repetido, o tribunal de segunda instância chegou a considerar Krisztián B, o agressor, culpado por violação da liberdade pessoal e sentenciou-o a nove anos de prisão. Na terceira instância, o Tribunal condenou-o a 11 anos de prisão.

Erika Renner

Num outro julgamento, acabou por ser condenado a 11 anos de prisão no ano passado, depois de já ter cumprido cinco anos. Erika diz que o julgamento durou tanto tempo porque não desistiu da justiça, ao contrário do que sentiu: Que a justiça tinha desistido dela.

"Eles trataram-me como se eu fosse um objeto no meu próprio processo, eu só tinha deveres, uma obrigação de testemunhar, dizer a verdade e enquanto isso, o sistema jurídico não estava nem um pouco interessado em mim enquanto ser humano", contou Erica à Euronews.

Sobreviveu para contar a história e lutar por leis mais claras. Tal como Judit Wirth, diretora da ONG "Mulheres por Mulheres contra a Violência", que acredita que a culpa não está só nos profissionais da justiça mas sim na formação dos mesmos. 

Judit Wirth diz que as pessoas que trabalham na área "não recebem formação" e que tal condição "se percebe no dia-a-dia".