This content is not available in your region

Sánchez alega "problemas de agenda" para não receber Guaidó

Access to the comments Comentários
De  Ricardo Figueira
Sánchez alega "problemas de agenda" para não receber Guaidó
Direitos de autor  Euronews

Juan Guaidó, o presidente da Assembleia Nacional e presidente autoproclamado da Venezuela, foi recebido como um herói por muitos espanhóis e sobretudo venezuelanos em Madrid, mas regressa a casa sem se ter encontrado com o presidente do governo espanhol Pedro Sánchez. Limitou-se a ver a ministra dos Negócios Estrangeiros Arancha González Laya. Antes, em Paris, tinha sido recebido por Emmanuel Macron

Sánchez, que durante a crise de há um ano reconheceu a autoridade de Guaidó na Venezuela, alegou agora problemas de agenda para não se encontrar com aquele não deixou, de facto, de ser um líder da oposição a Nicolás Maduro.

Disse Guaidó, no comício que deu na capital espanhola: "Só vos peço uma coisa: União. Sei que cometi erros, reconheço-o. Mas vamos ter mais oportunidades. Juntos, vamos conseguir, se formos todos na mesma direção. Não estão sozinhos. Vamos conseguir a mudança. Quando quiserem regressar, vão consegui-lo". O opositor venezuelano desdramatizou o não-encontro com Sánchez, dizendo que o irá "receber em breve no Palácio Presidencial de Caracas".

A recusa de Sánchez em ver Guaidó foi vista como uma concessão à parceira de coligação, a frente de esquerda Unidas Podemos, próxima do regime de Nicolás Maduro. Ao comício de Guaidó em Madrid assistiram figuras como o líder do PP e da oposição espanhola Pablo Casado, os líderes dos partidos Ciudadanos e Vox Inés Arrimadas e Satiago Abascal, o escritor peruano Mario Vargas Llosa ou o ex-chefe do governo José María Aznar.