This content is not available in your region

Produtor de vinhos cria “bibliotecas de castas” no Douro

Access to the comments Comentários
De  Euronews  com Lusa
 Produtor de vinhos cria “bibliotecas de castas” no Douro
Direitos de autor  Lusa

A produtora de vinhos Symington Family Estates criou vinhas experimentais no Douro onde investiga o comportamento das diversas castas de uvas e a capacidade de resistência à seca e ao tempo quente, consequências já sentidas das alterações climáticas.

São “bibliotecas de castas” e estão instaladas em zonas de climas diferentes: na quinta do Ataíde, no Vale da Vilariça, na Quinta do Bomfim, no Pinhão, e na vinha da Tapadinha, perto da Quinta do Retiro no vale do Rio Torto.

“Esta coleção visa preservar o património genético que temos na Região Demarcada do Douro”, afirmou à agência Lusa Fernando Alves, responsável pela área de desenvolvimento e investigação da Symington, durante uma visita à Quinta do Bomfim onde, nesta altura do ano, as vinhas estão despidas e no terreno os trabalhos incidem, sobretudo, na poda das videiras.

O objetivo destas “bibliotecas” é ampliar o conhecimento sobre castas autóctones do Douro e de outras de âmbito nacional e as mudanças climáticas tornaram este trabalho de investigação “particularmente relevante”, já que aqui estão também a ser investigadas quais as variedades que são mais resistentes ao calor e à seca.

Nas vinhas laboratório da empresa é estudado, segundo detalhou Fernando Alves, o comportamento de mais de 50 castas de uvas, “analisando-se os aspetos enológicos, vitícolas e, sobretudo, fenológicos porque permitem conhecer a dinâmica do ciclo de cada uma das castas, desde o abrolhamento ao pintor e ao período de maturação”.

O responsável disse que, em relação a 10 destas castas, estão a ser estudados de forma mais detalhadas os mecanismos que usam para “lidar com questões relacionadas com stress hídrico, térmico e luminoso”.

“Se percebemos como funcionam podemos entender melhor o impacto das alterações e podemos procurar formas de contornar alguns dos efeitos nocivos que se possam vir a fazer sentir”, frisou.

Nas propriedades da empresa a escolha das castas a plantar é efetuada de forma criteriosa tendo em conta a investigação que tem sido feita.

A Symington, uma das maiores produtoras de vinho da Região Demarcada do Douro e do país, integra atualmente dois projetos europeus: o Vineyards Integrated Smart Climate Application (Visca) e o robô VineScout.

Estes são, para Rob Symington, membro da quinta geração da família e responsável pela área da sustentabilidade, “projetos chave” para ajudar “a responder ao risco e à ameaça grave das alterações climáticas”.

“Em termos de alterações climáticas nós temos três áreas de foco: a primeira é adaptar às alterações que, sem dúvida, já estão a acontecer e que vão, infelizmente piorar, a segunda é reduzir o nosso contributo ao problema, reduzir as nossas emissões, e a terceira área é usar a nossa voz e a nossa plataforma para chamar a atenção a este problema”, afirmou à Lusa.

E continuou: “este é um risco existencial que estamos a levar muito a sério”.

Com um orçamento de 3,2 milhões de euros, financiado por fundos comunitários, o Visca junta um consórcio de 11 parceiros de Portugal, Espanha, Itália, França e Reino Unido, e está a analisar o impacto das alterações climáticas na produção de uvas na Europa.

O projeto está também a desenvolver um serviço climático de precisão ao nível local e temporal que ficará disponível para os viticultores e ajudará a programar, planear ações e mitigar o efeito das condições atmosféricas.

O projeto está ainda a estudar algumas práticas culturais, ao nível da gestão da parede de vegetação da videira, que permitem reposicionar o seu ciclo vegetativo e, no fundo, levar outra vez a videira a terminar o seu período de maturação, no período considerado ideal para uma determinada casta e local.

O robô VineScout destaca-se pela capacidade de monitorizar a vinha de forma autónoma e com recurso a propulsão elétrica e energia solar.

Pretende-se que este robô seja capaz de fazer medições de parâmetros chave na vinha que apoiem a viticultura, como o controlo do estado hídrico da videira, que permite uma correta gestão da disponibilização de água, e a temperatura da folha da videira e o vigor da planta.

O VineScout tem um orçamento de dois milhões de euros, dos quais 1,7 milhões de euros são financiamento comunitário.