This content is not available in your region

Airbus fechou 2019 no vermelho

Access to the comments Comentários
De  Luis Guita
Airbus fechou 2019 no vermelho
Direitos de autor  Copyright 2019 The Associated Press. All rights reserved.   -   Francois Mori

Um ano turbulento para o maior fabricante de aviões da Europa.

Apesar das entregas recorde de aeronaves, a Airbus foi arrastada para o vermelho por um acordo de vários milhares de milhões de euros com autoridades em França, Grã-Bretanha e EUA devido a subornos e outras práticas corruptas.

O lucro operacional aumentou para quase 7000 milhões de euros. Mas as multas de mais de 3500 milhões de euros e as despesas imprevistas com o desenvolvimento do avião militar A400M traduziram-se numa fatura pesada. Combinado com outros custos, o impacto foi uma perda líquida de 1360 milhões de euros.

O diretor executivo diz que essas foram circunstâncias excecionais e que a empresa pretende deixar de lado os erros do passado.

"Enfrentámos alguns desafios significativos ao longo do ano. No mês passado, chegámos a um acordo final com as autoridades francesas, britânicas e americanas que resolvem as investigações da Airbus. Concordámos em pagar multas de 3600 milhões de euros, mais juros e custos. Este é o preço a pagar por essas práticas passadas e seguir em frente,"explicou o presidente executivo da Airbus, Guillaume Faury.

A Airbus entregou 14 aviões A400m no ano passado. Mas o programa está a ser atrasado por vários fatores, incluindo a proibição de exportação da Alemanha para a Arábia Saudita.

"No geral, o valor das multas e essa nova pressão sobre o A400M levaram os resultados de 2019 a uma perda liquida. Isto terá um impacto significativo sobre o fluxo de caixa em 2020. É claro que não podemos ficar satisfeitos com isto," acrescentou o o presidente executivo da Airbus, Guillaume Faury.

Olhando para o futuro, a Airbus diz que se vai concentrar em melhorias operacionais e de custos em 2020. A empresa também espera que os EUA e a UE venham a resolver uma batalha comercial que, potencialmente, pode prejudicar ainda mais a indústria da aviação nos dois lados do Atlântico.