This content is not available in your region

Queda da libra libanesa precipita protestos violentos

Access to the comments Comentários
De  Euronews
Queda da libra libanesa precipita protestos violentos
Direitos de autor  Bilal Hussein/Copyright 2020 The Associated Press. All rights reserved.   -  

Mergulhado na pior crise económica em décadas, o Líbano voltou a ser palco de protestos que degeneraram em violência.

Esta quinta-feira, dia em que a libra libanesa caiu para mínimos históricos, perdendo 70% do valor desde outubro, centenas de pessoas saíram às ruas de várias cidades para manifestar a revolta com a degradação das condições de vida.

Em Beirute, a capital, queimaram-se pneus, peças de madeira e bloquearam-se estradas e autoestradas.

Depois de um encontro, esta sexta-feira, com o primeiro-ministro, Hassan Diab, e o chefe de Estado, Michel Aoun, o presidente do Parlamento libanês, Nabih Berri, anunciou, sem detalhar, medidas para fazer descer a taxa de câmbio da libra libanesa para menos de 4 mil libras por dólar.

"O valor do dólar em relação à libra libanesa será reduzido a partir de hoje, mas na realidade isso não se verificará antes de segunda-feira. Um dólar equivalerá a menos de 4 mil libras libanesas e cairá para 3 mil ou 3200 libras", disse Nabih Berri.

De acordo com vários meios de comunicação, a taxa de câmbio alcançou a seis mil libras por dólar esta sexta-feira.

A pandemia de Covid-19 interrompeu os protestos que agora estão mais intensos perante o agravamento da situação. O clima anterior de desempregos e cortes salariais mantém-se, atirando cada vez mais pessoas para a pobreza.

"Um dólar equivale agora a sete libras libanesas. Como é que as pessoas vão viver? Algumas pessoas estão a receber um quarto dos salários ou metade. As escolas e os hospitais pedem dinheiro. Mas ninguém tem dinheiro? O que é que devemos fazer?", questiona Bassam Zanat, um trabalhador.

No terreno, teme-se o futuro incerto, até porque muitos manifestantes dizem que o clima lembra o período que antecedeu a guerra civil (1975-1990) no Líbano, em 1975. A tensão continua a aumentar.