This content is not available in your region

Emmanuel Macron defende liberdade de expressão

Access to the comments Comentários
De  Pedro Sacadura  com AFP
Emmanuel Macron defende liberdade de expressão
Direitos de autor  Binsar Bakkara/Copyright 2020 The Associated Press. All rights reserved.   -  

Entre manifestações de revolta, em diferentes geografias do mundo muçulmano, Emmanuel Macron converteu-se na força-motriz de uma vaga de protestos contra França.

Em entrevista à estação de televisão Al Jazeera, este sábado, o presidente francês disse compreender o "choque da comunidade muçulmana" por causa das caricaturas do profeta Maomé, mas lembrou que tem o dever de proteger a liberdade de expressão, opondo-se à violência.

"As reações do mundo muçulmano deveram-se, desde logo, a muitas mentiras, à apropriação indevida que mencionei, e ao facto de que as pessoas pensarem que sou a favor das caricaturas. (...) Compreendo e respeito que as pessoas possam ficar chocadas com estas caricaturas, mas nunca aceitarei que se possa justificar a violência por causa disso. Defenderei sempre no meu país o direito à liberdade de expressão, de imprensa, de pensar e de desenhar", sublinhou o presidente francês.

Com o apelo ao boicote aos produtos franceses em diferentes países muçulmanos como pano fundo - feito pelo presidente turco na segunda-feira passada - Macron denunciou manipulação de "dirigentes políticos e religiosos." Recentemente, Recep Tayyip Erdoğan, questionou a saúde mental do homólogo gaulês.

"A campanha de boicote é indigna e condeno-a. É feita por determinados grupos privados porque não perceberam e apoiaram-se em mentiras, nas caricaturas, e, por vezes, em outros dirigentes. É inadmissível", referiu o presidente francês.

A tensão entre Macron e Erdoğan tem-se intensificado. O presidente turco falou numa agenda anti-muçulmanos. Prometeu tomar medidas legais e diplomáticas depois da publicação de uma caricatura no jornal satírico francês Charlie Hebdo. A imagem mostra Erdoğan deitado numa cama,  vestido com cuecas, uma camisa branca e com uma bebida de lata na mão, junto a mulher islâmica seminua.

Na sequência da tensão crescente, França retirou o embaixador do país em Ancara.