As eleições "mais seguras da história", garante agência federal

Access to the comments Comentários
De  Ricardo Figueira
As eleições "mais seguras da história", garante agência federal
Direitos de autor  J. Scott Applewhite/Copyright 2020 The Associated Press. All rights reserved

A agência federal que supervisionou o processo eleitoral nos Estados Unidos desferiu um novo golpe em Donald Trump e nas alegações de fraude que continua a fazer, enquanto em vários Estados prossegue a contagem dos votos, mesmo com a vitória já atribuída a Joe Biden.

A Agência para a Cibersegurança e Segurança de Infraestruturas, dependente do Departamento de Segurança Nacional, diz que as eleições do dia 3 foram "as mais seguras da história". Também a presidente democrata da Câmara dos Representantes, Nancy Pelosi, e o líder da minoria democrata no Senado, Chuck Schumer, dizem que Donald Trump tem de aceitar os factos, para bem do país, com as infeções e mortes por Covid-19 a atingirem um novo pico.

Pelosi disse que "é preciso parar com este circo e trabalhar, porque o que realmente interessa aos americanos é a saúde e a segurança económica".

Chuck Schumer pediu a Trump e aos seguidores que aceitem a derrota: "As eleições acabaram e o resultado foi claro. O presidente Trump perdeu. Joe Biden será o próximo presidente dos Estados Unidos e Kamala Harris será a próxima vice-presidente. Senadores republicanos, parem de negar a realidade. Parem de duvidar, deliberadamente e sem escrúpulos, do nosso processo democrático e passem a focar-se na Covid-19".

Kevin McCarthy, líder dos republicanos na Câmara dos Representantes, apoiou a ideia de que é preciso terminar todas as contagens e recontagens de votos antes de ser declarado um vencedor e felicitou-se pelo crescimento dos Republicanos no Congresso.

Trump insiste que venceu as eleições e apresenta "provas" inconsistentes

Por ocasião do Dia dos Veteranos, Donald Trump apareceu pela primeira vez em público desde o anúncio da derrota, mas por enquanto continua a exprimir-se apenas através do Twitter e não dá sinais de querer conceder a vitória a Biden, mesmo sendo contestado pela rede social.