This content is not available in your region

Conflito na Etiópia agrava crise humanitária no Sudão

Access to the comments Comentários
De  Francisco Marques
Conflito na Etiópia agrava crise humanitária no Sudão
Direitos de autor  Nariman El-Mofty/Copyright 2020 The Associated Press. All rights reserved.   -  

Uma enorme crise humanitária está a agravar-se na fronteira da Etiópia com o Sudão, avisa o Alto comissário das Nações Unidas para os Refugiados, numa altura em que está a decorrer uma forte ofensiva militar na região contestada do Tigré.

Filippo Grandi visitou esta sexta-feira o campo de refugiados de Hamdayet, um dos destinos fronteiriços já no Sudão das mais de 27 mil pessoas em fuga dos violentos combates no norte da Etiópia.

É a maior vaga de refugiados das últimas duas décadas nesta região africana, salienta Filippo Grandi. Uma média de quatro mil pessoas têm cruzado diariamente a fronteira da Etiópia para o Sudão desde 10 de novembro.

As chegadas "têm submergido completamente a capacidade de resposta das agências humanitárias no terreno", destaca a ONU.

"A maioria dos refugiados querem voltar para casa, mas apenas se os combates terminarem e puderem voltar em segurança", afirmou Grandi, pelas redes sociais, acrescentando o reforço de medidas para lhes assegurar as necessidades básicas.

As últimas notícias oriundas do conflito dão conta do avanço das tropas etíopes na região do Tigré.

A capital da região, Mekele, controlada pelos rebeldes da Frente de Libertação do Povo do Tigré, está a ser fortemente bombardeada pelo exército. Será a denominada “última fase” da ofensiva militar iniciada a 4 de novembro e anunciada quinta-feira pelo primeiro-ministro etíope, Abiy Ahmed.

Os separatistas apelam à comunidade internacional, avança a agência France Press, para condenar a ofensiva com artilharia pesada e o alegado massacre de civis cometido pelo governo etíope com apoio da Eritreia.