This content is not available in your region

Impasse sobre nuclear iraniano

Access to the comments Comentários
De  Nara Madeira  com AFP, AP
Javad Zarif, ministro dos Negócios Estrangeiros do Irão
Javad Zarif, ministro dos Negócios Estrangeiros do Irão   -   Direitos de autor  KAREN MINASYAN/AFP or licensors   -  

O chefe da Diplomacia iraniana diz que para recomeçar as negociações sobre o nuclear é preciso que os EUA levantem "incondicionalmente e de imediato todas as sanções". Uma reação à ajuda, oferecida por Washington, para retomar o diálogo. É preciso "comprometer-se, agir" e só depois "reunir-se" afirmou Mohammad Javad Zarif. Acrescentando que ficou claro e foi reconhecido que as acusações feitas por Mike Pompeo sobre o acordo não tinha validade legal.

O acordo, assinado entre Irão, EUA, Rússia, China, França, Reino Unido e Alemanha, tem vindo a perder força desde que o anterior governo norte-americano, liderado por Donald Trump, decidiu em 2018 abandoná-lo e voltar a impor sanções.

Em resposta, o Irão reiniciou, e entre outras coisas, a produção de urânio enriquecido, uma violação do pacto.

Para o Reino Unido a situação é "muito preocupante". O chefe da Diplomacia britânica, Dominic Raab, esclarece que ficou claro o "compromisso do governo Biden, de se envolver diplomaticamente com o Irão e reviver o acordo". Mas frisa que "fazer isso acontecer enquanto o Irão ameaça novos incumprimentos, em termos de verificações e protocolos da AIEA, é muito preocupante". Quer isto dizer, que esta é "mais uma razão" para se unirem "revigorar, impulsionar a diplomacia e traçar um caminho a seguir" afirmou Raab.

Depois dos recuos de Trump a nova administração dos EUA, gerida por Joe Biden, diz que é possível voltar ao acordo e à mesa das negociações mas que há condições. Ned Pricem porta-voz do Departamento de Estado dos EUA, explica que "se o Irão voltar a cumprir totalmente o acordo" o seu país fará o mesmo. Mas, acrescenta, "é importante ressalvar que, como já dissemos, o acordo para nós é um patamar. Não é um teto. E queremos ir além do Acordo de 2015, ampliá-lo, fortalecê-lo e construí-lo com novos compromissos noutras áreas de preocupação no nosso relacionamento com o Irão".

A próxima medida a ser tomada pelo Irão, se o país seguir pelo caminho do não cumprimento, é suspender o chamado Protocolo Adicional que permite que inspetores da Agência Internacional de Energia Atómica visitem instalações nucleares iranianas, civil ou militar, sem aviso prévio.