This content is not available in your region

Violência em Jerusalém pela terceira noite consecutiva

Access to the comments Comentários
De  euronews
Violência em Jerusalém pela terceira noite consecutiva
Direitos de autor  Ariel Schalit/Copyright 2021 The Associated Press. All rights reserved   -  

Jerusalém Oriental foi palco de confrontos entre palestinianos e a polícia israelita, pela terceira noite consecutiva.

Dezenas de pessoas ficaram feridas.

Os tumultos ocorreram apesar do Supremo Tribunal de Israel ter adiado a decisão sobre o despejo de mais de 70 palestinianos de um bairro da Cidade Santa.

Teme-se que os tumultos voltem às ruas pois está prevista, para esta segunda-feira, a Marcha anual do Dia de Jerusalém onde se prevê a passagem se jovens sionistas por zonas muçulmanas. (O evento assinala a captura de Israel de Jerusalém Oriental, e dos locais sagrados, em 1967.)

A passeata é considerada por muitos palestinianos como uma provocação.

Depois de uma reunião do Conselho de Ministros, Benjamin Netanyahu, sublinhou que Israel não permitirá "que nenhum elemento radical prejudique a calma em Jerusalém." Será imposta "de forma decisiva e responsável, a lei e a ordem." O primeiro-ministro israelita defendeu que a liberdade de religião, para todas as religiões, continuará a ser mantida, mas não serão permitidos "tumultos violentos" e deixou um aviso: "Israel reagirá com força a cada ato de agressão proveniente da Faixa de Gaza".

Nos últimos dias, centenas de pessoas ficaram feridas em confrontos perto da mesquita de Al-Aqsa, na Cidade Velha.

A violência crescente mereceu o repúdio de vários países e organizações internacionais.

A União Europeia, os Estados Unidos da América e as Nações Unidas incitaram Israel a travar a expansão dos colonatos.

A vizinha Jordânia, guardiã dos locais sagrados muçulmanos em Jerusalém Oriental, condenou as ações da polícia israelita, classificando-as como "bárbaras".

Centenas de jordanos manifestaram-se, no domingo, em Amã em protesto contra Israel e exigindo a deportação do embaixador israelita.