This content is not available in your region

Refugiados no Festival da Eurovisão

Access to the comments Comentários
De  Ricardo Figueira
Refugiados no Festival da Eurovisão
Direitos de autor  Peter Dejong/Copyright 2021 The Associated Press. All rights reserved   -  

Ainda antes de se conhecerem os resultados do Festival da Eurovisão, havia já um vencedor: A inclusão, já que três dos participantes, dois deles presentes na final, são refugiados. Manizha, representa a Rússia com a canção "Russian Woman". Ela própria uma refugiada que deixou o Tajiquistão em 1994, durante o conflito nesta ex-república soviética, é agora embaixadora da boa vontade do Alto Comissariado da ONU para os Refugiados.

"É muito importante que estes refugiados estejam presentes, porque há muitos refugiados à volta de todos e é importante sentirem apoio. É uma boa refugiada porque sempre tentou ajudar em tudo o seu país em tudo e é fundamental lutar por que os refugiados sejam ajudados em coisas como a educação e sejam apreciados. Por isso, contribuem com o talento, aptidões e força do espírito humano".

Também o representante da Suécia, Tousin "Tusse" Chiza, é refugiado. Nasceu na República Democrática do Congo e chegou à Suécia depois de passar três anos num campo de refugiados no Uganda.

Diz: "A canção é sobre força e perseverança, acreditar em nós. A voz de todos é importante e deve ser ouvida".

Outro representante dos refugiados é Ahmad Joudeh, um dançarino holandês que participou na segunda semifinal. Esta presença dos refugiados prova, mais uma vez, o esforço do festival pela inclusão.