This content is not available in your region

Direitos fundamentais chegam aos motoristas da Uber no Reino Unido

Access to the comments Comentários
De  Bruno Sousa
Direitos fundamentais chegam aos motoristas da Uber no Reino Unido
Direitos de autor  AP   -  

A Uber revolucionou o mercado do transporte privado mas a revolução nunca chegou aos direitos dos seus trabalhadores. Pouco a pouco, no entanto, vão ganhando algumas batalhas e desde esta semana que os funcionários da empresa no Reino Unido podem ser representados por um sindicato.

O contrato coletivo de trabalho assinado com o sindicato GMB garante proteção aos mais de setenta mil motoristas da Uber no país mas não abrange os mais de trinta mil estafetas da plataforma Uber Eats.

O acordo surge dois meses depois da gigante do transporte privado ter sido obrigada pela justiça britânica a reconhecer o estatuto de assalariado aos seus motoristas, em vez de simples trabalhadores independentes, e a garantir-lhes "regalias" como salário mínimo ou férias remuneradas.

Direitos básicos, mas que nem por isso são assegurados pela Uber, até porque a decisão judicial pode ter várias interpretações, o que deixa antever uma nova batalha nos Tribunais.

James Farrar, do Sindicato dos motoristas e estafetas de aplicações (ADCU), explica que "a Uber não respeita a decisão de pagar pelo menos o salário mínimo por cada hora que os motoristas estão disponíveis na plataforma" uma vez que, segundo a sua interpretação, só tem de "pagar o tempo em que se encontram passageiros no interior do veículo".

A pequena vitória dos trabalhadores não disfarça o longo caminho que ainda há a percorrer. O sindicato por trás do acordo com a Uber já veio convidar os restantes operadores do setor a seguirem o exemplo.