This content is not available in your region

"Golpe de agosto" foi há 30 anos

Access to the comments Comentários
De  Ricardo Figueira
"Golpe de agosto" foi há 30 anos
Direitos de autor  Alexander Zemlianichenko/Copyright 1991 The Associated Press. All rights reserved   -  

Foi há 30 anos que o nome de Boris Ieltsin se tornou conhecido do mundo inteiro, num episódio que viria a precipitar o fim da União Soviética, poucos meses depois. A 19 de agosto de 1991, os tanques desfilavam em Moscovo e um grupo de políticos da linha dura do Partido Comunista da União Soviética dava uma conferência de imprensa, dizendo que o secretário geral Mikhail Gorbachov estava doente e a descansar na casa de férias.

A população, que não quis ver deitadas por terra as reformas democráticas de Gorbachov, percebeu o que se estava a passar e saiu à rua contra o golpe de Estado. Nessa reação, uma figura impôs-se: a do presidente da Rússia, então ainda uma das 15 repúblicas integrantes da URSS, Boris Ieltsin, o primeiro a ser eleito democraticamente.

A imagem de Ieltsin a discursar em cima de um tanque correu mundo. Perante a reação popular, os militares que cercavam com tanques a sede do governo da Rússia depuseram as armas. O golpe implodiu, a democracia triunfou e Gorbachov pôde regressar a Mosvovo. Mas nada seria como dantes.

Quando o então ainda líder da União Soviética regressou ao posto, percebeu que já não tinha poder e a população da Rússia estava com Ieltsin. 

"Ele foi mantido prisioneiro, durante três dias, pelos organizadores do golpe. Quando foi libertado e regressou a Moscovo, estava já refém de Ieltsin, porque lhe devia a libertação" conta Guennadi Baboulis, então assessor de imprensa de Gorbachov.

Em dezembro desse mesmo ano, Gorbachov acabaria por assinar o decreto que pôs fim aos 74 anos de existência da URSS. Foi o início da Rússia independente e democrática. Uma democracia cada vez mais posta em dúvida pela comunidade internacional, com o sucessor designado de Ieltsin, Vladimir Putin, no poder há mais de 20 anos.