This content is not available in your region

Organização Mundial da Saúde aposta na deteção de ameaças

Access to the comments Comentários
De  Bruno Sousa
Organização Mundial da Saúde aposta na deteção de ameaças
Direitos de autor  Michael Sohn/Copyright 2021 The Associated Press. All rights reserved

Angela Merkel e Tedros Adhanom Ghebreyesus juntaram-se para cortar a fita do Centro para a Inteligência Pandémica e Epidémica, em Berlim. Este centro de pesquisa e deteção da Organização Mundial da Saúde nasceu para colocar a informação ao serviço da saúde pública e prevenir a emergência de novas doenças a uma escala planetária.

A urbanização, a desflorestação e as alterações climáticas estão a aumentar o risco de doenças transmitidas pelos animais
Tedros Adhanom Ghebreyesus
Diretor-Geral da OMS

A chanceler alemã explicou que o objetivo do centro passava por "recolher dados de todo o mundo, reuni-los e avaliá-los", sendo "os resultados partilhados pelo centro com todos os países". Merkel disse ainda que "a pandemia de covid-19 mostrou o que podemos fazer quando unimos esforços", dando o exemplo dos grandes especialistas mundiais do setor, que "têm vindo a alargar o seu conhecimento a um ritmo incrível e a partilhá-lo para descodificar o coronavírus".

O diretor-geral da OMS também enalteceu o papel desempenhado pelo centro:

"Os vírus evoluem depressa, mas os dados podem ser ainda mais rápidos. Com a informação correta, os países podem antecipar-se aos riscos emergentes e salvar vidas."

Para o diretor-executivo do Programa de Emergências da OMS, Michael Ryan, a "covid-19 veio mostrar as lacunas na prevenção, deteção e resposta a surtos que representem uma ameaça global".

Financiado pela Alemanha em cerca de 85 milhões de euros, o centro pretende suprir essas lacunas e será liderado pelo epidemiologista nigeriano Chikwe Ihekweazu.