This content is not available in your region

Mais regras de transparência para deputados alemães

Access to the comments Comentários
De  Teresa Bizarro
Mais regras de transparência para deputados alemães
Direitos de autor  Michael Sohn/Copyright 2021 The Associated Press. All rights reserved   -  

Alemanha aprova nova lei de transparência para os deputados. É uma consequência direta do chamado "escândalo das máscaras" que levou à demissão, na primavera passada, de vários parlamentares da aliança que apoia o governo.

O novo código de conduta impede que os deputdos recebam fundos de empresas ou entidades externas e alarga a obrigação de declarar rendimentos e interesses.

A medida aplica-se às duas câmaras do parlamento alemão e é resultado da pressão da sociedade civil e de organizações não governamentais, como a "Abgeordnetenwatch" - nome que literalmente se traduz como "vigilância de deputados".

"Em termos de regras de transparência para os deputados, a Alemanha tem estado até agora no último lugar do campeonato na comparação europeia. Por exemplo, o organismo anti-corrupção do Conselho da Europa criticou e repreendeu frequentemente a Alemanha, e também não nos saímos bem em comparação com outros países europeus," afirma Clara Helming, ativista da Abgeordnetenwatch.

As alegadas negociatas durante a pandemia foram a gota de água. Vários deutados foram também acusados de receber dinheiro do governo do Azerbaijão.

Clara Helming sublinha que "nos outros países europeus, a introdução regras de transparência mais rigorosas também tem sido frequentemente uma reacção a grandes escândalos". Dá o exemplo do  Reino Unido e de França. "O que França fez melhor foi introduzir imediatamente uma instância de controlo," diz apontando um problema já diagnosticado no sistema alemão: os deputados decidem em causa própria, através do presidente do Parlamento - que é também deputado. O cargo é desde 2017 ocupado pelo democrata cristão Wolfgang Schäuble que tem o poder de decidir sobre os companheiros de partido e nunca é controlado.

"Já existiam regras, mas não eram suficientemente fortes, e simplesmente não foram aplicadas. A maioria dos procedimentos eram realizados internamente no Bundestag, o público não os conhecia. Receamos que o mesmo aconteça com regras novas e mais rigorosas," nota a ativista da Abgeordnetenwatch ao apontar que, desde 2017, só por uma vez foi sancionada a conduta de deputados ao abrigo da lei.