This content is not available in your region

Boris Johnson podia ter evitado milhares de mortes na pandemia

Access to the comments Comentários
De  Francisco Marques
Reunião de governo no dia a seguir ao primeiro-ministro ter testado positivo por Covid-19
Reunião de governo no dia a seguir ao primeiro-ministro ter testado positivo por Covid-19   -   Direitos de autor  Andrew Parsons/10 Downing Street via AP, Arquivo   -  

A gestão inicial da epidemia de Covid-19 no Reino Unido pelo Governo liderado por Boris Johnson foi "um dos maiores falhanços de saúde pública na história do Reino Unido", aponta o relatório da Comissão Parlamentar de Inquérito, intitulado "Coronavírus: Lições aprendidas até agora".

O documento reporta-se apenas a Inglaterra porque os outros países integrantes do reino, Gales, Escócia e Irlanda do Norte, são geridos desde o final do século XX pelos respetivos governos nacionais.

O relatório é assinado por dois antigos ministros conservadores, Jeremy Hunt e Greg Clark, que preside à Comissão Parlamentar de Inquérito.

Entre as alegações, o inquérito parlamentar destaca como "um dos maiores erros" do executivo liderado por Boris Johnson o retardamento do confinamento apesar do que foi feito noutros países de forma mais célere.

O adiar do confinamento, que viria a ser imposto a 23 de março, tinha por base a presunção dos conselheiros cientistas do executivo de que a generalização da infeção pelo SARS-CoV-2 iria criar "imunidade de grupo", mas essa decisão, sublinha agora o relatório, acabou por custar a perda de milhares de vidas no Reino Unido.

Confrontado com o relatório numa entrevista à Sky News e questionado três vezes se pedia desculpa aos britânicos em nome do governo, o ministro da Presidência do Conselho de Ministros limitou-se a citar o título do relatório ao dizer que "há lições a aprender" e a garantir que o governo decidiu "com base na ciência".

Nós protegemos o Serviço Nacional de Saúde. <br><br>Nós disponibilizámos rapidamente a vacina, mas aceitamos que, onde houver lições a aprender, nós estamos dispostos a aprender.
Stephen Barclay
Ministro da Presidência do Conselho de Ministros do Reino Unido

A Covid-19 em Inglaterra

O primeiro caso de Covid-19 no Reino Unido foi detetado a 31 de janeiro de 2020, exatamente um mês depois de a OMS ter sido notificada dos primeiros casos na China.

O primeiro-ministro Boris Johnson viria a contrair Covid-19 a 27 de março, chegou a estar em estado grave nos cuidados intensivos, tendo recuperado com a assistência de dois enfermeiros não britânicos, incluindo um português.

A partir daí o chefe de governo revelou-se mais determinado no combate à epidemia.

O relatório agora divulgado indica, no entanto, que a reação do governo britânico de retardar o fecho da economia até 23 de março foi "uma política errada e levou a um maior número de mortes do que teria resultado se tivesse sido seguida mais cedo uma política mais vigorosa".

Com a vacinação atualmente avançada e elogiada como um dos melhores atos de gestão da epidemia pelo governo, e com cerca de 66% da população residente já totalmente vacinada, o Reino Unido é ainda assim o quarto país do mundo com mais casos de Covid-19 registados (8,2 milhões) e o oitavo com mais mortes (138 mil) ligadas ao SARS-CoV-2, de acordo com o portal "WorldDoMeters".

A pandemia de SARS-CoV-2

O surto deste coronavírus, denominado SARS-CoV-2 e que provoca a doença Covid-19, terá surgido em dezembro num mercado de rua de Wuhan, embora alguns estudos admitam que o vírus já estivesse presente naquela cidade chinesa desde outubro.

O primeiro alerta endereçado à Organização Mundial de Saúde aconteceu a 31 de dezembro referindo o caso de uma pneumonia desconhecida. O primeiro registo na Europa surgiu a 24 de janeiro, em França, e quatro dias depois dos Estados Unidos.

Médicos em França sugerem, entretanto, ter assistido o primeiro paciente no país com Covid-19 a 27 de dezembro depois de repetirem em abril as análises de exames a antigos doentes com sintomas suspeitos da nova doença.

De acordo com os registos oficiais, a pandemia entrou em África, pelo Egito, a 15 de fevereiro, e dez dias depois chegou à América do Sul, pelo Brasil. A pandemia bloqueou a maior parte do mundo desde meados de março de 2020.

Quase dois anos depois depois e com a pandemia ainda ativa, há mais de 238 milhões de infeções diagnosticadas e de 4,8 milhões de mortos.

A vacinação contra a Covid-19 começou em dezembro de 2020, continua a diferentes velocidades por todo o mundo, mas há países já a inocular pessoas com uma terceira dose de vacinas inicialmente desenvolvidas para ser eficazes com apenas duas doses.

Portugal foi o primeiro país a vacinar totalmente 85% da respetiva população residente.

Outras fontes • Guardian, Sky News