This content is not available in your region

Geórgia volta às urnas

Access to the comments Comentários
De  Teresa Bizarro  com AFP
Geórgia volta às urnas
Direitos de autor  AP Photo/Shakh Aivazov

Eleitores na Geórgia voltam às urnas. Segunda volta das eleições municipais nos concelhos onde não foi possível apurar um vencedor à primeira. Um ato eleitoral que a oposição quer que seja mais do que uma avaliação ao governo e mais um referendo ao atual regime.

Em 17 dos 20 círculos eleitorais, as teimas tiram-se entre o Sonho Georgiano, o partido no poder, e o Movimento Nacional Unido, criado pelo ex-Presidente Mikheil Saakashvili, detido a 1 de outubro por entrada ilegal no país.

A atual chefe de Estado apela à união. Depois de votar disse esperar que a "polarização a que se tem assistido no país acabe". Nas palavras de Salome Zurabishvili, "é necessário" que políticos e população aprendam juntos o que é "unidade e paz". A presidente considera que a falta de pacificação só beneficia a vizinha Rússia.

As sondagens não são conclusivas e os analistas políticos não têm dúvidas em classificar uma vitória da oposição como um golpe para nove anos de domínio do partido Sonho Georgiano.

O principal líder da oposição também votou este sábado. Para Nika Melia, estas eleições são "decisivas para a Geórgia e os georgianos" por representarem uma "escolha estratégica entre um regime oligárquico de partido único e uma coligação democrática pró-ocidental".

A tensão política na Geórgia aumentou após a prisão de Saakashvili que regressou à Geórgia este mês, após 8 anos no exílio. O político detido está em greve de fome e apelou aos seus apoiantes para expressarem o descontentamento através do voto.