This content is not available in your region

OMS recomenda cancelar eventos nas férias de Natal

Access to the comments Comentários
De  Fátima Valente
OMS recomenda cancelar eventos nas férias de Natal
Direitos de autor  Alberto Pezzali/Copyright 2021 The Associated Press. All rights reserved

Milhões de pessoas em todo o mundo esperam ter uma festa em família ou com os amigos este fim-de-semana, mas pelo segundo ano consecutivo, isso pode não acontecer.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) está a recomendar o cancelamento dos eventos no período das férias por causa do crescente número de casos da variante OMICRON da COVID-19.

O director da OMS, Tedros Adahnom Ghebreyesus, deixou uma mensagem que poucos querem ouvir: 

“Estamos todos fartos desta pandemia. Todos queremos passar tempo com a família e amigos. Mas um evento cancelado é melhor do que uma vida cancelada. É melhor cancelar e celebrar mais tarde do que celebrar agora e chorar depois. Nenhum de nós quer estar a passar pelo mesmo daqui a 12 meses
Tedros Adahnom Ghebreyesus
Director da OMS

“Estamos todos fartos desta pandemia. Todos queremos passar tempo com a família e amigos. Mas um evento cancelado é melhor do que uma vida cancelada. É melhor cancelar e celebrar mais tarde do que celebrar agora e chorar depois. Nenhum de nós quer estar a passar pelo mesmo daqui a 12 meses”.

Nesta altura estão a ser impulsionadas campanhas de vacinação, e também considerados confinamentos, como o que já está em vigor na Holanda.

Para fazer face à COVID-19, a Suíça anunciou restrições mais apertadas a partir desta segunda-feira, 20 de Dezembro, incluindo tornar obrigatório o teletrabalho para todos os que possam trabalhar a partir de casa.

Na rua há pessoas já vacinadas mas que ainda têm dificuldades em reconhecer as mais-valias da vacina contra a pandemia. Dizem que é melhor assim, mas ao mesmo tempo estar vacinado também não ajuda muito.

Na Alemanha estão a considerar restrições de contactos depois do Natal, mesmo para as pessoas vacinadas e em recuperação.

Hendrick Streeck, um especialista em coronavírus do governo alemão, defende que é possível reduzir o numero de pessoas por grupo. E dá exemplo da Baviera, onde já fecharam bares e discotecas para os próximos dias e semanas, de forma a “evitar os pontos de risco e eventos de maior contágio”.

Entretanto, o chanceler alemão Olaf Scholz diz que o país vai chegar ao objectivo de oferecer doses de reforço da vacina a pelo menos 30 milhões de cidadãos até ao final do ano.