This content is not available in your region

Forças russas da CSTO iniciam retirada do Cazaquistão após estabilização da revolta

Access to the comments Comentários
De  Francisco Marques
Forças russas da CSTO iniciam retirada do Cazaquistão após estabilização da revolta
Direitos de autor  AFP   -  

O contigente militar russo afeto à Organização do Tratado de Segurança Coletiva (CSTO) começou a retirada do Cazaquistão após a alegada estabilização da revolta popular contra o governo liderado pelo Presidente Qasym-Jomart Toqayev.

O que é a CSTO?

A Organização do Tratado de Segurança Coletiva (CSTO, na sigla anglófona) é uma aliança de seis antigas repúblicas soviéticas (Arménia, Bielorrússia, Cazaquistão, Quirguistão, Rússia e Tajisquistão) fundada em fevereiro de 1992 como Forças Armadas Unidas e rebatizada escassos meses depois para Tratado de Segurança Coletiva e tornada, finalmente, CSTO em 2002.

O Usbequistão fez parte dos fundadores e em 1993 juntaram-se também o Azerbaijão e a Geórgia, mas este trio abdicou da aliança em 1999.

A aliança é similar à NATO, tem uma base militar e de cooperação entre os estados. A sede está localizada em Moscovo, na Rússia, e anualmente são realizados exercícios envolvendo militares dos aliados.

A atual intervenção no Cazaquistão é a primeira operação num cenário de conflito real para as chamadas Forças de Paz da CSTO.

Site oficial da CSTO

As forças CSTO foram mobilizadas para auxiliar o governo cazaque a reprimir a revolta em curso há pouco mais de uma semana e meia nesta antiga república soviética, liderada pela mesma força política desde a independência há 30 anos.

O general russo que lidera a missão da CSTO no Cazaquistão, Andrey Serdyukov, agradeceu pessoalmente aos militares o trabalho efetuado.

"Num curto período de tempo vocês conseguiram garantir segurança aos cidadãos, dar assistência para a estabilização da situação e assegurar o funcionamento tranquilo de locais vitais", sublinhou o líder da primeira missão em cenário real das chamadas Forças de Paz da CSTO.

A revolta e a consequente repressão pelas autoridades provocou mais de 160 mortos, incluindo pelo menos 18 elementos das forças da segurança.

Um dos militares cazaques que perderam a vida nos confrontos com os manifestantes mais violentos foi o coronel Sandybek Khairov. O funeral decorreu esta quinta-feira, na presença de soldados e da família do militar.

Regresso à normalidade

Em Almaty, entretanto, a cidade que se tornou epicentro da revolta, a situação começa aos poucos a voltar ao normal. Os transportes públicos e a maior parte das lojas e restaurantes estão de novo em atividade.

O Presidente manifestou, pelas redes sociais (tweet ao lado), o agradecimento aos cidadãos que manifestaram "patriotismo e unidade na luta contra os extremistas".

"Agora, o país está a entrar numa nova fase de desenvolvimento. Este será um período de verdadeira renovação. Vamos construir um Cazaquistão feliz e próspero juntos", expressou Qasym-Jomart Toqayev.

A revolta começou a 2 de janeiro no leste do país como um protesto contra os aumentos do preço do gás. O atrito subiu de tom e alastrou pelo Cazaquistão, com vários incidentes violentos em edifícios públicos, incluindo esquadras da polícia, agravando a revolta contra o regime no poder desde 1991 através, primeiro, dos partidos liderados até 2019 por Nursultan Nazarbayev e agora por Toqayev.

Outras fontes • AFP, TASS