This content is not available in your region

Terminais petrolíferos na Europa alvo de ciberataque

Access to the comments Comentários
De  Euronews  com LUSA
Terminais petrolíferos na Europa alvo de ciberataque
Direitos de autor  FRANCOIS WALSCHAERTS/AFP or licensors   -  

Pelo menos seis terminais petrolíferos foram alvo de ataques informáticos na Alemanha, nos Países Baixos e na Bélgica, nas últimas 24 horas.

Especialistas em ciberataques acreditam que as instalações portuárias nas cidades de Ghent, Antuérpia, Roterdão e Hamburgo foram afetadas com o objetivo de interromper a distribuição de materiais energéticos em diversos portos europeus de relevo, ao impedir o descarregamento de vários petroleiros.

As autoridades locais abriram já inquéritos para investigar os casos, sem revelar ainda a origem dos ataques.

A Europol, Agência da União Europeia para a Cooperação Policial, ofereceu já ajuda às polícias de cada país para analisar o ataque informático.

De acordo com as fontes citadas pelo jornal diário belga De Morgen, o ciberataque afetou instalações dos operadores petrolíferos Evos (com sede em Terneuzen, nos Países Baixos), Oiltanking e Sea-Tank, filial do grupo Sea-invest com sede em Ghent (Bélgica).

Na Bélgica, os portos de Ghent e Antuérpia sofreram interrupções nas suas atividades.

A corretora de navios Riverlake, com sede em Roterdão (o principal porto de carga da Europa à frente de Antuérpia e Hamburgo) informou que o ataque informático impediu o descarregamento de vários petroleiros.

"Houve um ataque cibernético em vários terminais, alguns dos quais viram os seus serviços interrompidos. O 'software' foi pirateado e não podem descarregar os navios. Basicamente, o seu sistema operacional está inativo", disse um responsável da empresa holandesa.

Na Bélgica, o Ministério Público de Antuérpia atribuiu a investigação a um departamento da Polícia Federal especializada em crimes cibernéticos e na Alemanha o departamento de Justiça está a considerar este caso como um ataque de ciberterrorismo.

Recorde-se que no mês passado, o preço do petróleo atingiu o novo máximo dos últimos sete anos, numa altura em que os custos da energia são pressionados por tensões geopolíticas e a retoma da economia mundial.