This content is not available in your region

Só parte do "Comboio da Liberdade" conseguiu desafiar a polícia francesa

Access to the comments Comentários
De  Nara Madeira  com AP, AFP
"Comboio da Liberdade" passou tímido por Paris porque foi travado pela polícia
"Comboio da Liberdade" passou tímido por Paris porque foi travado pela polícia   -   Direitos de autor  Adrienne Surprenant/Copyright 2022 The Associated Press. All rights reserved   -  

Foram apenas algumas carruagens do "Comboio da Liberdade" que conseguiram desafiar a polícia francesa e manifestar-se nos Campos Elísios, em Paris, este sábado. Um protesto contra a vacinação e as restrições impostas no âmbito da luta contra a Covid-19 recebido com gás lacrimogéneo. 

Milhares de agentes da polícia foram mobilizados para as entradas da cidade para impedir centenas de condutores de chegarem à capital francesa. Foram instalados postos de controlo e as autoridades policiais dizem ter impedido 500 veículos de avançarem para uma manifestação que não foi autorizada. Foram passadas 300 multas a automobilistas envolvidos no protesto. Houve mesmo detenções e apreensões.

Protestos que começaram no Canadá e que chegaram também aos Países Baixos. Dezenas de veículos rumaram a Haia, bloqueando uma das entradas no histórico complexo do parlamento. Uma manifestação menos tensa mas com algumas pessoas a dizerem que chegaram preparadas para uma longa luta e estada, se necessário for. Uma manifestante afirmava querer a sua "liberdade de volta". Explicava que nos últimos tempos muita da liberdade que tinham foi-lhes sendo retirada, liberdade em vários domínios, e isso tem de parar.

O protesto acabou por ser interrompido pelo polícia depois dos manifestantes terem conseguido bloquear a circulação rodoviária.

O município de Haia tinha avisado ao meio-dia que se os manifestantes não saíssem do centro da cidade no prazo de duas horas a polícia seria teria autorização para prender os participantes e os camionistas seriam multados em 306 euros, o custo do reboque do veículo.

Outras fontes • NOS