Cada vez mais idosos "reféns" da solidão no Leste da Europa

Access to the comments Comentários
De  Euronews
Cada vez mais idosos "reféns" da solidão no Leste da Europa
Direitos de autor  Photo : Shakh Aivazov (AP)

Quando a sua esposa, filhos, netos e amigos não têm tempo para ele, Nodar Ghonikashvili, de 70 anos, vem aqui, para este pequeno parque em Tbilisi, a capital da Geórgia.

Acontece que nem sempre é fácil encontrar alguém com quem falar e partilhar as notícias do dia, alguém que lhe possa dedicar um pouco de tempo.

"Imagine só, tenho alguma informação e preciso de a partilhar.... Quanto mais informação tiver, mais quero falar com alguém sobre o assunto. Por vezes, o meu neto não quer ouvir as minhas histórias. Claro que temos comunicação, ele pergunta-me coisas de vez em quando... Mas de qualquer forma, eu e ele pensamos de forma diferente. Portanto, é melhor viver desta forma... Claro que existe a sensação de solidão nestes momentos. Cada um tem o seu próprio negócio, todos estão ocupados", revela.

O centro de dia para idosos que Nodar frequenta está temporariamente fechado agora, devido à pandemia. Todos os dias o pessoal organiza vários eventos para cerca de 30 cidadãos idosos, para lhes lembrar que não estão sozinhos e que as suas vidas são importantes. O isolamento é ainda maior.

Inga Chkheidze, responsável do programa Social neste centro de dia, afirma: "Não é tão comum aqui os idosos terem o seu próprio negócio, ou aprenderem algo novo nesta idade. Eles têm uma certa vergonha - dizendo: 'qual é a utilidade da aprendizagem, sou demasiado velho para trabalhar, demasiado velho para me vestir para o trabalho'. A maioria das pessoas aqui prefere vestir roupas confortáveis do dia-a-dia".

Em 2021, o Fundo das Nações Unidas para as Populações (FNUP) e o London University College realizaram um inquérito em 20 países da Ásia Central e da Europa de Leste. 20% dos participantes entre 65 e 85 anos, afirmaram estar a viver uma grave solidão. De acordo com o estudo, o isolamento causado pela pandemia complicou ainda mais a situação.

Para o sociólogo Iago Katchkatchishvili, "a situação nos estados pós-soviéticos é mais dramática do que na Europa do Leste. Isto porque os programas sociais para os idosos estão aí mais desenvolvidos. É por isso que temos uma tal diferença, uma diferença ao nível da política estatal em termos de lidar com os idosos".

Os investigadores acreditam que a solução passa pelo desenvolvimento de políticas de estado para proteção dos direitos, saúde e dignidade dos cidadãos idosos.