This content is not available in your region

EUFOR reforça contingente na Bósnia

Access to the comments Comentários
De  Johannes Pleschberger
EUFOR reforça contingente na Bósnia
Direitos de autor  Euronews

Nos arredores de Viena, soldados austríacos da missão europeia EUFOR treinam na identificação de minas e costumes locais, poucos dias antes de partirem para Sarajevo.

A União Europeia receia que a guerra na Ucrânia se alastre para os Balcãs Ocidentais.

Com a colaboração da Áustria, principal contribuidora em termos de tropas, a missão europeia na Bósnia-Herzegovina está praticamente a duplicar o contingente, para um total de 1100 militares.

Karl Wolf, coronel das Forças Armadas Austríacas:"Devido às circunstâncias, em que todos estão a seguir as notícias do que está a acontecer na Ucrânia, os países decidiram enviar forças de reserva para a Bósnia."

Desde o conflito armado dos anos 90, a Bósnia-Herzegovina é composta por duas entidades: a República Sérvia da Bósnia e uma federação croato-muçulmana.

A Republika Srpska anseia pela independência e tem avançado com planos para instituir o seu próprio Exército e sistema judicial.

As boas relações entre os sérvios da Bósnia e Moscovo fazem temer uma situação semelhante a da Ucrânia.

Valentin Inzko, ex-alto representante internacional para a Bósnia-Herzegovina:"O objetivo da República Sérvia da Bósnia é construir estruturas estatais e depois, no momento certo, declarar a independência."

Para evitar outro conflito armado, o antigo Alto Representante Internacional para a Bósnia-Herzegovina defende uma aceleração da candidatura de Sarajevo à União Europeia.

Para Valentin Inzko, o processo de alinhamento já dura há demasiado tempo.

Valentin Inzko, ex-alto representante internacional para a Bósnia-Herzegovina:"No próximo ano, é o trigésimo aniversário da promessa feita aos países dos Balcãs de lhes dar uma perspetiva europeia. Mas em vez de uma perspetiva, é uma miragem, se nem sequer obtêm o que foi prometido há 30 anos. Pedimos, por escrito numa carta, que a aproximação da Bósnia-Herzegovina à União Europeia seja acelerada e simplificada."

No curto prazo, Inzko defende que as forças de manutenção da ordem na Bósnia sejam reforçadas de 1000 para pelo menos 5000 soldados.

Johannes Pleschberger, euronews:"A principal missão dos militares é garantir a segurança na Bósnia. No entanto, o sentimento entre a população, que é regularmente controlado por unidades especiais, está a deteriorar-se. Mas mantém-se a esperança de que os horrores dos anos 90 não sejam repetidos."