This content is not available in your region

Sérvia criou medidas de proteção para refugiados ucranianos

Access to the comments Comentários
De  Euronews
serbia
serbia   -   Direitos de autor  Darko Vojinovic/Copyright 2022 The Associated Press. All rights reserved

Cerca de 13 mil refugiados ucranianos entraram na Sérvia no último mês, mas apenas 3500 decidiram ficar. Em coordenação com a União Europeia, a Sérvia também criou medidas de proteção temporárias para as pessoas que fogem da guerra na Ucrânia. Durante um ano, terão os mesmos direitos que os cidadãos sérvios.

Olga, que veio de Mariupol, está a viajar com a filha e já passou por muitos sítios, recorda a cidade onde vivia: "Mariupol está destruída. Demasiadas pessoas morreram, as casas estão destruídas. Viver lá agora é impossível".

Aleksander tenciona ficar na Sérvia e já sabe para onde quer ir:

- Vou para Novi Sad, afirma.

Tem lá amigos ou familiares? - Pergunta a repórter

- Sim, tenho um amigo e a minha mulher está lá neste momento.

- Como é que é a situação em Kiev? Como era quando partiu?

- É muito instável. Podiam ouvir-se as detonações todos os dias. Foi aterrador.

As primeiras informações que os viajantes da Ucrânia recebem, assim que entram na Sérvia, vêm dos oficiais do Comissariado para os Refugiados, que os esperam 24 horas por dia.

Um elemento do Comissariado, Ivan Gujanicic, explica como são recebidos: "Informamos as pessoas vindas da Ucrânia que estão sob medidas de proteção temporária na Sérvia. Isto significa que eles têm todos os direitos que os cidadãos sérvios têm".

Bojana Inic, utro dos elementos da equipa, refere com documentos na mão: "Este é um documento com todas as informações de que os refugiados que permanecem na Sérvia e que não têm para onde ir podem precisar. Há informação em duas línguas - inglês e ucraniano".

Quando não têm para onde ir, o seu endereço é um centro de refugiados no sul da Sérvia. Desde 18 de março todos os refugiados da Ucrânia têm o direito de trabalhar, obter cuidados de saúde, e frequentar escolas neste país.

À semelhança da decisão tomada pela União Europeia, estas medidas temporárias terão a duração de pelo menos um ano.