This content is not available in your region

Guerra ameaça "fish & chips"

Access to the comments Comentários
De  Euronews  com AFP
“fish & chips”
“fish & chips”   -   Direitos de autor  AP Photo   -  

Resistiram ao Brexit e à pandemia, mas milhares de lojas que vendem os tradicionais “fish & chips” britânicos podem ter de fechar as portas por causa da guerra na Ucrânia. Na estância balnear de Brighton, na costa sul de Inglaterra, há falta de peixe branco fresco pronto para ser envolvido em massa e ir à frigideira, acompanhado com batatas fritas.

Pam Sandhu, proprietária da 'Captain's' fish & chips,conta que está na indústria há mais de 30 anos e que nunca houve falta de peixe ou de qualquer produto. "Com esta guerra na Ucrânia, não há peixe disponível ou uma quantidade muito pequena", disse à AFP.

Até agora, a Rússia fornecia entre 30 a 40 por cento do peixe vendido nas lojas britânicas de “fish & chips”, na maioria bacalhau e arinca, diz Andrew Crook, presidente da Federação Nacional de Fish Friers.

O peixe e as batatas fritas, primeiro servido como prato único na década de 1860, há muito que são um alimento básico da classe trabalhadora e que se tornaram um “clássico” da gastronomia britânica. Cobertos com sal e vinagre, costumavam ser embrulhados em jornais antigos e servidos com ervilhas almiscaradas ou molho tártaro. "Sempre fomos vistos como uma refeição barata, por isso, as nossas margens foram sempre bastante baixas e trabalhamos em volume", diz Andrew Crook. "Infelizmente, agora é muito difícil proteger as nossas margens, na verdade, elas foram exterminadas", lamenta.

O peixe tornou-se ainda mais caro porque alguns arrastões britânicos estão a permanecer no porto devido ao elevado custo do combustível. Entretanto, o imposto sobre as vendas (IVA) está a recuar até 20%, tendo sido reduzido para 12,5% durante a pandemia. Tudo isto, segundo Crook, poderá colocar 3 mil das 10 mil lojas de "fish & chips" do país fora de atividade.