Transnístria teme chegada da guerra

Access to the comments Comentários
De  Euronews
Sede do Grupo Operacional das Forças Russas em Tiraspol, Transnístria
Sede do Grupo Operacional das Forças Russas em Tiraspol, Transnístria   -   Direitos de autor  Dmitri Lovetsky/Copyright 2021 The Associated Press. All rights reserved

O receio da chegada da guerra invadiu a Transnístria. Após as explosões desta semana, perdem-se de vista as filas de carros que tentam sair da região separatista apoiada pela Rússia rumo à Moldávia.

Com a escalada da guerra no sul da Ucrânia, país vizinho, os habitantes do enclave russófono temem repercussões. Muitos decidiram partir antes de o conflito lhes poder bater à porta.

É o caso de Victoria. Grávida, diz estar muito alarmada. "Não sabemos o que fazer em diferentes cenários, porque nunca passámos por algo assim", afirma.

Para quem mora na Transnístria, a Moldávia é a única saída possível para fugir à guerra. O percurso conta agora com a passagem por vários postos de controlo militar em Tiraspol, a principal cidade da região.

Também Alex, reconhece aos 50 anos que "a situação nesta fronteira é muito difícil e na Transnístria a situação é má, porque todos têm medo que a guerra comece nesta região". 

Moscovo reage à escalada de tensão

Perante os receios do alastramento da guerra, a porta-voz do ministério russo dos Negócios Estrangeiros, Maria Zakharova, considerou as explosões no enclave "atos de terrorismo destinados a desestabilizar a situação na região", disse esperar "uma investigação exaustiva e objetiva de todas as circunstâncias do que aconteceu" e "condenou veementemente as tentativas de envolver a Transnístria no que está a acontecer na Ucrânia".

Recentemente um alto comandante do exército russo afirmou que, ao estabelecer o controlo sobre o sul da Ucrânia, Moscovo garante "outra rota" para a região separatista, onde as tropas russas têm estado estacionadas desde o colapso da União Soviética.