This content is not available in your region

Conflito entre República Democrática do Congo e Ruanda é antigo

Access to the comments Comentários
De  José Kundy e João Peseiro Monteiro  com AFP, AP
euronews_icons_loading
Posto fronteiriço de Goma, República Democrática do Congo
Posto fronteiriço de Goma, República Democrática do Congo   -   Direitos de autor  AP Photo

O conflito entre a República Democrática do Congo (RDC) e os vizinhos do Ruanda e do Uganda é antigo.

Na região dos Grandes Lagos as tensões raciais e as riquezas minerais resultaram na criação de várias milícias.

O chamado Movimento 23 de Março (M23) surgiu em 2012 e ocupou a principal cidade da província do Kivu Norte, Goma.A pressão internacional sobre o Ruanda, que deixou de financiar o grupo rebelde, e a vitória militar dos congoleses, apoiados por forças da ONU, levaram o M23 a assinar uma trégua no ano seguinte.

Mas algo falhou.

O que dizem os rebeldes é que não houve da parte do governo o cumprimento do acordo que na altura se tinha assinado com Joseph Kabila Filho
Albino Pakisi
analista político

"em 2021, o movimento ressurgiu e ressurgiu com muita força. Entretanto, as forças internacionais e o próprio governo congolês dizem que o Uganda e também a república do Ruanda, através do presidente Paul Kagame, estão a apoiar este movimento rebelde com armas e munições para a instabilidade do Leste" - acrescenta Albino Pakisi.

Angola preside à Conferência Internacional da Região dos Grandes Lagos e tem multiplicado as iniciativas para pacificar a região.

Depois de receber de urgência o homólogo da República Democrática do Congo, Félix Tshisikedi, no início de junho, o presidente João Lourenço tenta sentar os vizinhos desavindos à mesma mesa.

Uma tarefa dificultada pelos interesses económicos em jogo, como explica o empresário da RDC, Jeremy Salvador Salabiaku.

"O Congo neste momento tem muitos movimentos que estão sempre fazendo guerra no nosso país. Exatamente na parte Leste do país porque essa parte tem muitos minerais importantes."

As mudanças tecnológicas aceleraram a procura de coltan, minério essencial à fabricação de smartphones e computadores. O Kivu Norte, região congolesa que faz fronteira com o Ruanda e o Uganda, possui mais de 60 por cento das reservas mundiais.