This content is not available in your region

Amnistia Internacional: "Crime de guerra no Teatro de Mariupol"

Access to the comments Comentários
De  Euronews
euronews_icons_loading
Teatro de Mariupol, destruído pelos bombardeamentos russos
Teatro de Mariupol, destruído pelos bombardeamentos russos   -   Direitos de autor  frame

O bombardeamento russo do teatro de Mariupol foi um "claro crime de guerra", segundo a Amnistia Internacional (AI).

O ataque, que ocorreu a 16 de março, chocou o mundo. Acreditava-se que centenas de civis estavam refugiados no interior. O local estava claramente marcado e a palavra "crianças" tinha sido escrita à entrada para ser vista do céu.

A Amnistia Internacional acaba de publicar o seu relatório, com o qual pretende esclarecer dúvidas:

Joanne Mariner da AI, afirma: "Havia provas abundantes de uma presença civil muito grande, porque nas semanas anteriores ao ataque o local tinha sido utilizado como centro humanitário, e milhares de civis, ou pelo menos 1.000 civis, que tinham fugido das suas casas com a violência invasora na cidade, refugiaram-se no teatro, que estava a ser utilizado como ponto de partida para os comboios que estavam a tentar fugir para o território ucraniano.

Assim, mesmo uma monitorização superficial do teatro teria mostrado que se tratava de um alvo civil por excelência e não era, de forma alguma, utilizado para fins militares".

A Amnistia Internacional acredita que as forças russas levaram a cabo o ataque com aviões de caça que lançaram duas bombas de cerca de 500 quilos. Os investigadores identificaram 12 corpos, muito menos do que o número de vítimas que se pensou na altura, mas admitem que o número real de vítimas nunca será conhecido.

O município de Mariupol tinha reportado, na altura, uma estimativa de cerca de 300 mortos.

Segundo a ONG, esta discrepância nos números baseia-se no facto de que muitos refugiados do teatro tinham conseguido fugir de Mariupol "nos dois dias anteriores ao ataque", e que "a maioria dos que ficaram estava em caves e outras áreas protegidas da explosão".

Mas para a diretora da Amnistia Internacional na Ucrânia, "não muda nada" em termos de substância. Oksana Pokalchuk disse à AFP: "não importa quantas pessoas tenham sido mortas, o ataque ao teatro Mariupol é claramente um crime de guerra".