This content is not available in your region

Alemanha reequaciona nuclear

Access to the comments Comentários
De  euronews
Olaf Scholz visitou uma fábrica da Siemens Energy
Olaf Scholz visitou uma fábrica da Siemens Energy   -   Direitos de autor  Bernd Thissen/ dpa

A Alemanha pode prolongar a vida útil dos últimos três reatores nucleares do país, para além do final do ano. O chanceler alemão, Olaf Scholz, numa visita a uma fábrica da Siemens Energy, afirmou que isso "poderia fazer sentido", mas não se comprometeu.

O país está a ser parcialmente privado de gás russo e teme uma crise energética. A Alemanha tinha decidido eliminar gradualmente a energia nuclear até ao final de 2022, mas a escassez de entregas de gás russo trouxe de volta a questão de manter as últimas centrais a operar por mais tempo. Uma solução incómoda, especialmente, para o terceiro partido da coligação governamental, os ambientalistas Verdes

"No que diz respeito ao abastecimento energético da Alemanha, como todos sabem, as últimas três centrais nucleares destinam-se exclusivamente à produção de eletricidade, e correspondem a uma pequena fatia do total. No entanto, pode fazer sentido, porque o estado de desenvolvimento das energias renováveis em certos estados alemães varia muito", referiu.

A decisão de Berlim, sobre uma possível extensão da vida dessas centrais nucleares, deve ser tomada após serem conhecidos os resultados do “teste de stress”, sobre a segurança do fornecimento de energia elétrica do país, o que deve ocorrer daqui a umas semanas, sublinhou Scholz.

Em Mülheim an der Ruhr, no oeste da Alemanha, na fábrica que reparou uma turbina de gás para equipar o Nordstream 1, o chanceler acusou a Rússia de ser responsável por bloquear a entrega da turbina, sem a qual o gasoduto - que fornece gás à Europa - não pode, segundo alega Moscovo, funcionar normalmente.

"Não há nenhuma razão técnica para a redução das entregas de gás através do Nordstream 1. As turbinas estão funcionais... Aqui está uma delas. A troca desta turbina pode seguir o procedimento habitual, como tem acontecido em anos anteriores. Tudo o que a Gazprom teria de fazer era dizer: "Quero esta turbina de volta", afirmou.

A gigante russa Gazprom comunicou, esta quarta-feira, que as sanções impostas pelo Ocidente à Rússia, por causa da guerra na Ucrânia, impossibilitam a devolução da turbina do gasoduto Nordstream 1, que está só a funcionar a 20% da sua capacidade.

A Alemanha acionou no final de março o Plano de emergência para o Gás, o primeiro de três níveis de alerta. Para já, as autoridades afirmam que o abastecimento não está em causa, no entanto, a aproximação do inverno preocupa os alemães.

Com o atual volume de entregas de gás, o nível das reservas podem baixar significativamente. Caso haja uma "interrupção significativa" no fornecimento de gás, o Estado poderá ter de intervir para garantir o abastecimento de "clientes protegidos", como residências, hospitais, bombeiros e polícia.