This content is not available in your region

China castiga Taiwan após visita de Pelosi

Access to the comments Comentários
De  euronews
Exercícios militares chineses perto de Taiwan
Exercícios militares chineses perto de Taiwan   -   Direitos de autor  Euronews

Cinco exercícios militares em seis zonas muito próximas de Taiwan. É desta forma que a China está a reagir à promessa deixada pela porta-voz da Câmara dos Representantes dos Estados Unidos de "não abandonar Tawain.

Nancy Pelosi deixou o território mas mesmo antes de sair já estavam em curso testes com mísseis e operações militares, algums a serem realizadas dentro das águas territoriais de Taiwan.

Nos próximos três dias, o tráfego aéreo e marítimo na área será bloqueado ficando o acesso à província que Pequim considera separatista completamente condicionado. 

A China não gostou da visita de Pelosi e acusando os EUA de minar a "política de uma só China" de Pequim.

A porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros da China, Hua Chunying, garantiu que "a condução de exercícios militares chineses no mar perto de Taiwan da China é uma medida necessária e justa para proteger a soberania nacional e a integridade territorial em resposta aos grandes movimentos de provocação de alguns políticos dos EUA e das forças de independência de Taiwan".

Pelosi saiu na quarta-feira dizendo que a visita serviu para mostrar solidariedade com a democrática Taiwan.

Num esforço para acalmar a situação, os ministros das Relações Exteriores dos países do G7 divulgaram uma declaração conjunta dizendo que a escalada da China corre o risco de desestabilizar a região.

Washington repetiu a mensagem de que esta visita não mudou nada.

A assessora de imprensa da Casa Branca, Karine Jean-Pierre, afirmou que "não há razão para Pequim transformar esta visita, que é consistente com a política de longa data dos EUA, em algum tipo de crise. A Lei de Relações de Taiwan de 1979 não mudou."

Entretanto, o chefe da diplomacia da União Europeia condenou a crescente tensão entre China e Taiwan, e pede "moderação". Numa publicação no Twitter, Josep Borrell escreve que “não há justificação para usar visita de Nancy Pelosi como pretexto para atividade militar agressiva no Estreito de Taiwan".