This content is not available in your region

Crimes de gangues dominam eleições suecas

Access to the comments Comentários
De  Euronews
Polícia sueca em acção
Polícia sueca em acção   -   Direitos de autor  AFP   -  

A 11 de Setembro, a Suécia vai eleger um novo parlamento e, mais uma vez, há um tema em particular que está a dominar a campanha eleitoral: o crime de gangues.

Na sexta-feira passada, um homem foi morto durante um tiroteio num centro comercial na cidade de Malmö. O suposto autor dos disparos tem apenas 15 anos e, de acordo com a polícia, pertence ao meio de gangues.

Contudo, na Suécia, este não é um caso isolado. Este ano, todas as semanas, pelo menos uma pessoa morreu vitima de tiros.

.A primeira-ministra sueca, a social-democrata Magdalena Andersson, quer encontrar uma saída para a espiral de violência e promete uma "ofensiva contra os tiroteios de grupos de jovens".

"Esta ofensiva acontecerá em duas frentes: contra as armas e contra as gangues. Em primeiro lugar, tomaremos uma ação direta contra o tráfico de armas ilegais. No futuro, a polícia poderá vasculhar todas as arrecadações, todos os apartamentos e todos os carros onde os gangues de criminosos podem ter escondido armas - mesmo sem suspeitas concretas," explicou a primeira-ministra sueca, Magdalena Andersson.

Tiroteios, carros incendiados, explosões: a Suécia tem problemas com gangues hostis e violentos há anos. Muitas vezes, na origem da violência pode estar uma vingança ou o tráfico de drogas.

Os delinquentes são cada vez mais jovens e muitos vêm de famílias de imigrantes.

Os especialistas apontam falhas na política de integração. Dizem que foi investido pouco dinheiro em educação e políticas sociais, contribuindo assim para a formação de guetos e sociedades paralelas.

O governo social-democrata quer tomar medidas mais duras. Por exemplo, a pena mínima para crimes graves com armas deve ser aumentada de dois para quatro anos de prisão.

Para a oposição, isso não é suficiente. Os moderados prometem tornar a participação num gangue em uma ofensa punível, isto se obtiverem a maioria nas eleições parlamentares. E acrescentam que qualquer pessoa que venha para a Suécia e se junte a um gangue deve ser deportada imediatamente.