This content is not available in your region

Uganda e Tanzânia acusam União Europeia de "neocolonialismo"

Access to the comments Comentários
De  Euronews
Pressão pública sobre empresas parceiras do projeto tem vindo a aumentar
Pressão pública sobre empresas parceiras do projeto tem vindo a aumentar   -   Direitos de autor  AFP   -  

Uma "atitude neocolonial", contra a soberania da Tanzânia e do Uganda. É a leitura que os dois países fazem da resolução aprovada, na semana passada, no Parlamento Europeu, a condenar a construção de um oleoduto entre ambos.

A construção reúne vários parceiros, incluindo empresas estatais da Tanzânia e do Uganda, a multinacional francesa Total Energies e a gigante petrolífera China National Offshore Oil Corporation.

Foi lançada em fevereiro e, se tudo correr bem, o oleoduto, que será o mais longo do mundo, deve estar pronto até 2025.

Mas são muitas as críticas que vão desde a violação dos direitos humanos, ao impacto ambiental e ameaça de ecossistemas protegidos. Estima-se, também, que mais de cem mil pessoas possam ser deslocadas.

A pressão pública sobre empresas como a TotalEnergies tem vindo a aumentar.

O presidente do Uganda garante que a população não tem com que se preocupar e que os lucros do petróleo podem beneficiar milhões de pessoas.

O assunto ainda promete fazer correr muita tinta.