This content is not available in your region

17 países subscrevem reforço da cooperação transatlântica

Access to the comments Comentários
De  Teresa Bizarro  com Agências
Antony Blinken, secretário de Estado dos EUA, reuniu-se com ministros de países atlânticos
Antony Blinken, secretário de Estado dos EUA, reuniu-se com ministros de países atlânticos   -   Direitos de autor  David Dee Delgado/AP   -  

Estados Unidos lançam reforço da cooperação transatlântica. 17 países, incluindo Portugal, Angola, Guiné-Bissau e Brasil acertam o passo nos domínios económico, marítimo e ambiental. A iniciativa foi anunciada esta terça-feira em Nova Iorque, numa reunião ministerial à margem da Assembleia Geral da ONU

O Secretário de Estado norte-americano anunciou um envelope de 100 milhões de dólares para esta iniciativa. Um reforço dos programas que atualmente decorrem em três continentes e que representam um investimento de 400 milhões de dólares.

"Reconhecemos a importância de alargar o apoio e o trabalho com as iniciativas atlânticas existentes: A liderança de Portugal na criação do Centro Atlântico nos Açores, a visão do Brasil da Zona de Paz e Cooperação no Atlântico Sul, os Amigos do Golfo da Guiné. Esforços que continuam a ser significativos para ter um impacto significativo. Ainda assim, à medida que os desafios se multiplicam e as inovações e oportunidades aumentam, acreditamos que as nossas parcerias precisam de crescer para responder a esses desafios," declarou Antony Blinken.

Para os Estados Unidos, o apelo vem na medida em que a administração do Presidente Joe Biden fez da cooperação ambiental, incluindo a protecção dos oceanos, uma prioridade.

Citando números da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO), o chefe da diplomacia dos EUA salientou que "um em cada cinco peixes no mercado" foi capturado ilegalmente, o que representa uma perda anual de "entre 10 e 23 mil milhões de dólares".

No comunicado final, assinado em Nova Iorque, sublinha-se a importância do Oceano Atlântico em termos do comércio marítimo e da biodiversidade. Também se destacam as maiores ameaças que exigem coordenação: "a pirataria, o crime organizado, a pesca ilegal e a poluição".

Os países comprometidos com a iniciativa são para já: Angola, Argentina, Brasil, Canadá, Costa do Marfim, Costa Rica, Espanha, Estados Unidos, Gana, Guiné-Bissau, Guiné Equatorial, Irlanda, Mauritânia, Noruega, Países Baixos, Portugal, Reino Unido e Senegal.