This content is not available in your region

Italianos escolhem o próximo governo em plena crise energética

Access to the comments Comentários
De  Euronews
Manequim pendurado num bar de Itália, com o anúncio da fatura da eletricidade
Manequim pendurado num bar de Itália, com o anúncio da fatura da eletricidade   -   Direitos de autor  AP Photo   -  

Nas empresas como o grupo Giambarini, que utilizam intensamente a energia no processo de produção, os custos operacionais subiram de 3% para 30%, valores que acabam por refletir-se no preço final dos produtos.

A crise energética que a indústria e as famílias enfrentam é uma das principais preocupações dos eleitores que se preparam para votar nas eleições legislativas de domingo, em Itália.

Num bar, na região de Roma, os cafés subiram 10 cêntimos e a proprietária, Laura Ramoni, colocou no estabelecimento um símbolo do seu desespero quando recebeu a fatura da eletricidade, um manequim pendurado pelo pescoço.

O assunto não tem sido tema de debate na campanha eleitoral, segundo a diretora do Instituto de Assuntos Internacionais, Nathalie Tocci, porque não há muitas soluções.

"As diferenças (nos candidatos) em termos do tipo de soluções que podemos ter para estas questões energéticas e económicas não são assim tão grandes e simplesmente porque a margem de manobra, quer seja da esquerda ou da direita é, na verdade, muito limitada e por isso não se pode ter uma boa discussão sobre algumas destas questões, porque se acaba por chegar a acordo. Todas as partes concordam, por exemplo, que deveria haver um limite europeu para os preços da energia. Então talvez possa haver nuances, diferenças sobre exatamente como e que preços devem ser limitados, mas ninguém discorda e assim, na dinâmica, que é uma dinâmica competitiva e mesmo uma dinâmica conflituosa numa campanha, preferem não falar sobre isto mas, como disse, é sobre o que no final são obrigados a falar dado o contexto".

A maioria dos principais partidos, incluindo os Irmãos de Itália, da extrema-direita, de Giorgia Meloni e o Partido Democrata de centro-esquerda, de Enrico Letta, estão em grande parte a seguir estratégias seguidas pelo governo cessante do primeiro-ministro Mario Draghi.

Ambos defendem um limite máximo da União Europeia para os preços do gás natural, apesar da incapacidade de obter o consenso da UE em meses de discussão, juntamente com fórmulas variadas para ajudar as famílias e oferecer benefícios fiscais às empresas.

Em julho e agosto, a utilização de energia industrial diminuiu em dois dígitos principalmente devido à produção em escala - o que, segundo os especialistas, poderia afetar o crescimento económico e o emprego nos próximos meses.

Ao mesmo tempo, três quartos dos lares italianos esperam ainda mais dificuldades neste outono com faturas mais elevadas, de acordo com o instituto de sondagens SWG.

Já 80% relatam importantes sacrifícios para pagar custos energéticos, tais como adiar as férias, grandes compras e comer fora.

Os preços começaram a subir há um ano e exacerbaram-se à medida que a Rússia cortou o gás natural utilizado para gerar eletricidade, aquecer e refrigerar casas e gerir fábricas, uma vez que a Europa apoia a Ucrânia devastada pela guerra.