This content is not available in your region

Mais de 200 mil reservistas russos juntaram-se à guerra na Ucrânia

Access to the comments Comentários
De  euronews
Linha da frente na Ucrânia desloca-se para leste
Linha da frente na Ucrânia desloca-se para leste   -   Direitos de autor  AP/Copyright 2022 The Associated Press. All rights reserved.   -  

A linha da frente na Ucrânia desloca-se para leste e a destruição é visível em Siversk, depois dos recentes confrontos entre as forças russas e ucranianas. À medida que a vida regressa lentamente a Lyman, após a reconquista, é possível ver os vestígios da guerra e corpos dos soldados russos pelas estradas à saída da cidade.

Em Lyman e noutras zonas reconquistadas os residentes tentam reconstruir as casas e a vida, mas a violência dos combates ainda está fresca na memória. As últimas vitórias da Ucrânia não impediram as reivindicações territoriais da parte do Kremlin, com a Rússia a oficializar a anexação de territórios ucranianos. Moscovo está a avançar com a sua mobilização parcial chamando os reservistas e, segundo o ministro da defesa russo, mais de 200 mil russos juntaram-se às fileiras, depois do decreto Presidente russo Vladimir Putin a 21 de Setembro.

Agora a situação mudou, muitos sentiram que as suas famílias já pudessem ter sido afetadas. Isso causou medo e um sentimento de incerteza. As pessoas dizem que é difícil planear a vida agora, quando não se sabe o que vai acontecer a seguir.
Russia Denis Volkov
Sociólogo, Centro de Levada, Rússia

Não se sabe o que vai acontecer a seguir, mesmo com a chegada de milhares de soldados recém mobilizados nas últimas semanas à linha da frente, pairam dúvidas sobre até que ponto poderão impulsionar o lado russo nesta guerra na Ucrânia.