Partido de Patrice Trovoada volta ao poder com maioria absoluta

Access to the comments Comentários
De  Nara Madeira  com AFP, Lusa
Eleições Legislativas em São Tomé e Príncipe
Eleições Legislativas em São Tomé e Príncipe   -   Direitos de autor  STR/AFP or licensors

A Ação Democrática Independente venceu as eleições legislativas, de 25 de setembro, em São Tomé e Príncipe. Os dados finais apresentados pelo Tribunal Constitucional confirmam a vitória do partido de Patrice Trovoada com maioria absoluta. A formação consegue 30 mandatos, mais dois do que os necessários para ter a maioria dos 55 assentos na Assembleia Nacional.

A coligação composta pelo Movimento de Libertação de São Tomé e Príncipe e o Partido Social Democrata, do atual primeiro-ministro Jorge Bom Jesus, elegeu 18 deputados, menos cinco que nas eleições anteriores, e falhou a recondução à chefia do governo.

A ADItinha vencido o escrutínio de há quatro anos mas com maioria relativa. Na altura estava no poder mas a eleição de 33 deputados, "apenas", permitiu a formação de uma coligação composta por partidos da oposição que gorou as suas expectativas de formar governo. Na altura uniram-se o MLSTP/PSD, ao PCD/UDD/MDFM (coligação Partido de Convergência Nacional/União para a Democracia e Desenvolvimento/Movimento Democrático Força da Mudança) conseguindo a maioria parlamentar.

A nova composição do parlamento contará ainda com cinco deputados eleitos pela coligação Movimento de Cidadãos Independentes – Partido Socialista/Partido de Unidade Nacional. Os restantes dois lugares pertencem ao movimento Basta, uma união do histórico Partido da Convergência Democrática e ex-membros da ADI. O cabeça de lista era o presidente do parlamento, Delfim Neves.

Perdem assento parlamentar a UDD e MDFM que ainda tentaram aliar-se ao movimento Basta, numa coligação pós-eleitoral que pretendia juntar os votos e conseguir eleger mais deputados, pretensão rejeitada pelo Tribunal Constitucional.

Editor de vídeo • Nara Madeira