This content is not available in your region

Cinco anos de terror em Cabo Delgado

Access to the comments Comentários
De  Teresa Bizarro  com AFP, Lusa
Os primeiros ataques do grupo terrorista Al-Shabaab ocorreram em Mocímboa da Praia
Os primeiros ataques do grupo terrorista Al-Shabaab ocorreram em Mocímboa da Praia   -   Direitos de autor  CAMILLE LAFFONT/AFP   -  

A alegria voltou às ruas de Mocímboa da Praia, no norte de Moçambique. Os homens jogam futebol e as mulheres na bancada improvisada comemoram em festa cada golo. A cidade portuária moçambicana foi libertada dos terroristas do grupo Al-Shabab há um ano.

Apesar dos sorrisos, as marcas e as memórias de quatro anos de ocupação não se esquecem. Lúcia da Silva mostra os pilares de madeira que sobraram da casa que os terroristas queimaram. 

"Eles vieram e disseram"nós vamos queimar a casa". Eu saí, abri a porta e eles entraram na sala. Disse às crianças para correrem e se esconderem na sala, mas uma delas entrou e levou as crianças. Não consegui detê-las. Eles disseram que iam tomar bem conta das crianças. Depois, fugimos para fora, incendiaram as camas e as redes mosquiteiras com gasolina e queimaram a casa," conta com mágoa.

Sob o olhar e a proteção da polícia ruandesa, que veio apoiar as autoridades moçambicanas, esta quarta-feira, completam-se cinco anos sobre o primeiro ataque contras unidades de polícia em Mocímboa da Praia.

O conflito alastrou por toda a província e fez milhares de deslocados. Muitos não puderam voltar ainda a casa. Continuam em centros improvisados de acolhimento a olhar ainda por cima do ombro

"Nós aqui em Cabo Delgado já estamos cansados dos terroristas," diz Ricardo Mendes. Este deslocado, acolhido em Metuge lembra que o conflito ainda não terminou e que a "acalmia que se verifica hoje é porque as nossas forças estão a trabalhar no mato. Estão em perseguição dos terroristas." 

O receio de novos ataques e a fome afetam a maior parte das famílias. Quase em tom de desespero , Graça João, uma outra deslocada diz que comem "sempre a mesma coisa: arroz com feijão. Todos".  "Não chega dinheiro aqui para nós," desabafa.

Nas contas da ONU, os anos de terror levaram quase um milhão moçambicanos a fugir de casa. Apesar dos esforços para pacificar a província, agora com apoio internacional, o conflito não terminou. Está menos ruidoso, mas não menos penoso para milhares de famílias .

Editor de vídeo • Teresa Bizarro