Leyen diz que "solidariedade" e "unidade" são fundamentais

Access to the comments Comentários
De  Luis Guita  & Euronews
Presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen
Presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen   -   Direitos de autor  Christian Hartmann / AP Photo   -  

Ursula Von Der Leyen revelou mais medidas da União Europeia para aumentar a segurança energética face às perturbações causadas pela guerra da Rússia na Ucrânia.

A presidente da Comissão Europeia interveio na abertura de um debate no Parlamento Europeu. O bloco concordou em redistribuir os lucros dos impostos sobre a energia entre os estados membros vulneráveis, diversificar as fontes e comprar gás coletivamente. Para isso, disse que a unidade é fundamental.

00:25 SOT URSULA VON DER LEYEN, PRESIDENTE DA COMISSÃO EUROPEIA

"Na prossecução da nossa ação, duas coisas continuam a ser primordiais: ação em unidade e ação em solidariedade. Precisamos de proteger os fundamentos da nossa economia, e em particular o nosso mercado. O mercado único é a força da nossa União Europeia. É de onde provém a riqueza da União Europeia. Sem uma solução europeia comum, arriscamo-nos a uma fragmentação. Se cada Estado membro for por si só, temos a fragmentação que não queremos," afirmou a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen.

Anteriormente, o chefe da diplomacia da União Europeia, já tinha exortado os Estados membros a não enfraquecerem na determinação de apoiar a Ucrânia. Josep Borrel disse que a Europa e a Ucrânia tinham uma causa comum.

"Este é o lugar para pedir aos europeus que compreendam o que se passa, porque o nosso apoio à Ucrânia não é apenas uma questão de generosidade. O nosso apoio à Ucrânia deve ser infalível porque a segurança da Ucrânia está intrinsecamente ligada à nossa; o que ali acontece é também o nosso futuro," declarou o chefe da diplomacia da Uniao Europeia, Josep Borrell.

Como parte da resposta à guerra da Ucrânia, a UE pretende também proteger melhor as infraestruturas críticas, incluindo os gasodutos. Na semana passada, os gasodutos NordStream foram danificados num aparente ato de sabotagem, um ataque que realça a vulnerabilidade das infraestruturas energéticas da Europa.