This content is not available in your region

"A culpa é vossa": Putin sobre preços do gás na Europa

Access to the comments Comentários
De  Euronews
Putin
Putin   -   Direitos de autor  Michael Probst/Copyright 2022 The AP. All rights reserved   -  

Os países do bloco europeu vão comprar gás numa plataforma comum antes do verão de 2023, mas os tetos dos preços do gás ainda ficaram por decidir. 

A conclusão saiu do encontro que aconteceu na Chéquia, entre os ministros da União Europeia responsáveis pela pasta da Energia. Ainda antes do verão de 2023, os países pertencentes ao bloco vão comprar gás em conjunto numa plataforma comum, no caminho da independência energética da Rússia, mas também como resposta à crise no setor. 

Quanto aos tetos dos preços do gás, nada ficou decidido. Ficou apenas vincada, na reunião, a necessidade de tornar os valores mais baixos.

"O que é que a Rússia tem a ver com isso? A culpa é vossa."
Vladimir Putin
Presidente da Rússia sobre crise energética

Kadri Simson, Comissária europeia para a Energia, afirmou que a Comissão Europeia "está a trabalhar num pacote de propostas para o dia 18 de outubro". 

Putin culpa o ocidente pela crise energética

A Europa deixou de importar gás russo há um mês. Num Fórum sobre Energia, em Moscovo, Putin afirmou estar preparado para renovar o fornecimento e culpa o ocidente pela crise energética.

"O europeu comum está a sofrer. As contas do gás e da eletricidade mais do que triplicaram em 12 meses. A população, tal como na Idade Média, começou a juntar lenha para o inverno. O que é que a Rússia tem a ver com isso? Como estão sempre à procura de culpados para os seus próprios erros, neste caso culpam a Rússia. A culpa é vossa!" - afirmou Putin, no discurso ouvido pela nação. 

Desde o início da guerra, a União europeia tem castigado a economia de Putin, beliscando o negócio da energia, até porque Moscovo usa as receitas do gás para financiar a invasão.

Mas o boicote à Rússia fez com que os preços do gás na Europa disparassem. Estão 90% mais altos do que no ano passado.