This content is not available in your region

Amazónia em risco com maioria conservadora no congresso brasileiro

Access to the comments Comentários
De  Stefanie Palma Guerreiro
Stefanie Palma, Euronews
Stefanie Palma, Euronews   -   Direitos de autor  Euronews   -  

Lula da Silva e Jair Bolsonaro avançaram para a segunda volta das eleições presidenciais no Brasil. Um deles vai ser eleito a 30 de outubro.

Seja qual for o escolhido, muito do futuro do Brasil nos próximos quatro anos já está decidido porque, no passado dia 02 de Outubro, os brasileiros escolheram também a composição do Congresso Nacional, que é agora o mais conservador de sempre. O partido de extrema-direita de Jair Bolsonaro tornou-se na maior força política, tanto na Câmara dos Deputados, como no Senado.

Jair Bolsonaro não deixou de evidenciar este resultado positivo nas redes sociais.

Embora a maior representacão no congresso deva ser relativizada, dado o grande número de partidos lá representados…Certo é que este resultado evidencia o desaparecimento da direita moderada e a força do movimento radical de Jair Bolsonaro, que vai continuar a ter, a partir de 2023, muita influência.

Questões como os direitos das minorias ou a ecologia arriscam-se, por isso, a perder ainda mais relevância. E já, nos últimos anos, a questão ambiental tem sido um pomo de discórdia entre o Brasil e a União Europeia.

Paulo Rangel, eurodeputado do partido popular europeu, a maior bancada no hemiciclo de Estrasburgo, perspetiva um congresso brasileiro pouco preocupado com o ambiente.

"[É] um congresso bastante conservador, com este tipo de caraterísticas, que são um pouco negacionistas. Nós vimos isso com a Covid, mas também com as alterações climáticas. Eu acho que é muito pouco propício, muito pouco favorável a que uma política ambientalmente responsável seja adotada relativamente à Amazónia. E, portanto, também aí, eu acho que as nuvens estão carregadas", salientou, em entrevista à Euronews:

No Brasil, também Márcio Astrini, Secretário-Executivo do Observatório do Clima, antecipa um céu pouco clemente.

"A nova composição do congresso no Brasil é extremamente preocupante. Nós sempre tivemos um congresso que colocou em risco a proteção ambiental, especialmente a proteção da Amazónia, mas o que vimos nesta eleição é que tem um congresso mais radical, com pessoas que representam claramente uma agenda contra a proteção da floresta.", defendeu.

Quer seja Jair Bolsonaro ou Lula da Silva o próximo presidente da República do Brasil, esta escolha será decisiva, uma vez que o próximo Chefe de Estado poderá apoiar ou, por outro lado, contrariar a política ambiental que o Congresso Nacional decidir adotar.