This content is not available in your region

Mina com milhares de milhões de toneladas de ferro começa a operar na Argélia

De  Cyril Fourneris
Mina com milhares de milhões de toneladas de ferro começa a operar na Argélia
Direitos de autor  euronews   -  

Para alcançar as ambições industriais, a Argélia relançou vários grandes projetos mineiros. O de Gara Djebilet é um dos mais estruturantes.

Milhares de milhões de toneladas de minério de ferro têm estado aqui adormecidos desde a descoberta em 1952. Após anos de estudos, os trabalhos de abertura começaram este verão.

A longo prazo, o objectivo é extrair dezenas de milhões de toneladas por ano, incluindo os 12 milhões de toneladas necessários para a indústria siderúrgica argelina.

Noureddine Aoussat, diretor técnico da Feraal, empresa que explora a mina, diz: "O único depósito na Argélia que pode satisfazer esta procura é o depósito de Gara Djebilet. A exploração deste depósito é fácil, ao ar livre. A espessura da rocha residual é muito baixa, 60 centímetros. Retira-se esses 60 cm e vê-se o minério".

Os trabalhadores preparam uma explosão para alargar a trincheira. Um último passo antes de a mina ser colocada em funcionamento. O subsolo do deserto é carregado com explosivos.

O minério será enviado para laboratórios na Argélia e no estrangeiro, incluindo a China, onde as empresas estão a acompanhar o progresso da mina.

Diz Mahmoud Boukrouma, gerente da mina: "Os maiores consumidores do mundo começam agora a ter dificuldades em obter fornecimentos. Assim que souberam que havia um grande depósito na Argélia, apresentaram-se a comprar o nosso produto".

Assim que os maiores consumidores mundiais souberam que havia um grande depósito na Argélia, apresentaram-se a comprar o nosso produto.
Mahmoud Boukrouma
Gerente da mina

Um produto que - de acordo com as amostras analisadas - contém 90% de ferro, mas também fósforo, um elemento indesejável. O processamento pode ser feito em novos complexos, mais a norte.

Está planeada uma nova linha ferroviária para transportar os milhões de toneladas extraídas e para criar um corredor económico ocidental entre Tindouf e Orão.

Indústria quer aproveitar potencial da mina

Orão é o lar do líder da indústria siderúrgica nacional: Tosyali Argélia. O grupo, que ajudou o país a tornar-se um exportador líquido de aço longo, está a investir em aço plano, com os olhos postos na nova mina.

"Para nós, ter um depósito local será um grande conforto. Há muitos projectos revitalizados na Argélia e nós gostamos muito disso. Existe hoje em dia um clima de negócios muito bom na Argélia", diz Alp Topcuoglu, administrador da Tosyali.

A mina Gara Djebilet não é o único megaprojeto: um projeto integrado de fosfatos em Tebessa, no leste, destina-se à exportação de fertilizantes. Em Bejaïa, mais a norte, um grande depósito de chumbo e zinco deverá ser explorado. Outros programas estão em cima da mesa como parte de um plano de ação para revitalizar o setor.

"Hoje, a economia mundial precisa de metais, precisa de produtos minerais, e a Argélia quer aproveitar esta oportunidade para criar riqueza, criar emprego, desenvolver o nosso país e deixar a geração futura com projetos substanciais, projetos de valo"r, diz Messaoud Houfani, conselheiro do ministro argelino da Energia e das Minas.

A Argélia quer intensificar a exploração em busca de terras raras, que são altamente valorizadas internacionalmente. Foram mencionadas na declaração de Argel assinada pelos presidentes argelino e francês em finais de agosto.

Diz Messaoud Houfani: "É tempo de vir e trabalhar em conjunto, de explorar o que é explorável e de procurar o que ainda não foi encontrado, mas que pode ser encontrado rapidamente. Atualmente, a União Europeia precisa de procurar outros recursos num local que não está muito longe e cujo potencial é bem conhecido: a Argélia".

A União Europeia precisa de procurar outros recursos num local que não está muito longe e cujo potencial é bem conhecido: a Argélia
Messaoud Houfani
Conselheiro do ministro argelino das Minas e da Energia

O país acaba de reformar a lei mineira e decidiu criar uma nova escola para os futuros profissionais de mineração.