This content is not available in your region

Ataques "devastadores" à rede elétrica ucraniana

Access to the comments Comentários
De  Teresa Bizarro  com agências
Os apagões programados estendem-se já a oito regiões ucranianas
Os apagões programados estendem-se já a oito regiões ucranianas   -   Direitos de autor  Andrew Kravchenko/AP   -  

Kiev e pelo menos sete outras regiões da Ucrânia estão com falhas no abastecimento de energia. O operador público ucraniano de electricidade classifica como "devastadores" os ataques da Rússia às infraestruturas energéticas do país.

Face aos danos e a uma procura excessiva de electricidade, a Energo anunciou que tinha colocado "restrições adicionais sob a forma de interrupções de emergência". 

O sistema eléctrico ucraniano tem sido fortemente afectado por múltiplos ataques russos nas últimas semanas, suscitando receios de um Inverno sem electricidade e água para muitos civis.

O presidente ucraniano denuncia o papel dos drones iranianos na destruição destes alvos. Volodymyr Zelensky quis marcar o dia em que oficiais do Irão admitiram fornecer drones a Moscovo.

Kyiv não acredita no entanto nas explicações de Teerão, que afirma ter fornecido os aparelhos a Moscovo, antes do início da guerra, em fevereiro.

A Rússia negou sempre que os drones que utiliza na Ucrânia viessem do Irão, mas o ministro iraniano dos Negócios Estrangeiros reconheceu este sábado pela primeira vez que tinha fornecido este tipo de aparelhos ao Kremlin.

"Fornecemos à Rússia um número limitado de drones meses antes da guerra na Ucrânia", disse Hossein Amir-Abdollahian, citado pela agência oficial IRNA.

Batalha por Kherson

Em Kherson, as autoridades nomeadas pela Rússia continuam a multiplicar os esforços de evacuação da cidade. Os ucranianos falam de deportação em massa de civis.

Multiplicam-se também os relatos de que os russos estão a pilhar a cidade, levando até ambulâncias, tractores e carros particulares.

Segundo a presidência ucraniana, "os ocupantes russos estão a tentar identificar os habitantes que recusam ser retirados" de Kherson para os territórios ocupados pelas tropas de Moscovo, mais longe da linha da frente, ou mesmo para a própria Rússia.

Kherson continua a ser alvo de uma contra-ofensiva das tropas ucranianas. 

No terreno a nordeste, o comandante da 127ª brigada ucraniana, Roman Grychtchenko, descreveu à AFP "uma situação estabilizada", com "raros ataques com drones, artilharia e operações de comando" na região, que os ucranianos recapturaram em Setembro. "Estamos a avançar o mais rapidamente possível em todas as direcções", afirmou.