Como Espanha se tornou um centro de produção de fruta tropical

De  Cinzia Rizzi
Como Espanha se tornou um centro de produção de fruta tropical
Direitos de autor  euronews

Romãs

Baixa precipitação, altos níveis de sol e um elevado número de dias sem nuvens são as condições perfeitas para cultivar uma das romãs mais valiosas do mundo: a Granada Mollar de Elche, que tem o rótulo de Denominação de Origem Protegida.

É uma variedade muito específica de romã, diferente de todas as outras, graças à doçura particular e outras características.

Susi Bonet, diretora comercial da Cooperativa Cambayas, explica: "Esta romã é diferente de todas as outras por causa da cor exterior e interior. Tem uma cor rosada no exterior, esta romã nunca é vermelha e por dentro o grão é vermelho. O grão é doce, macio, e pode ser consumido".

Além disso: a Granada Mollar de Elche é uma das chamadas "superfrutas": "É uma superfruta porque dá vitalidade, mas acima de tudo são os valores antioxidantes que são característicos desta fruta", diz Bonet.

Uma vez colhidas as romãs, estas são levadas para as casas de embalagem, onde são cuidadosamente selecionadas, embaladas e mantidas a uma temperatura de 4 a 8 °C. Daqui começam uma longa viagem, para lojas e mercados por toda a Europa. Espanha é o principal produtor de romã na União Europeia e a região de Elche representa 75% da produção nacional.

Mangas

Esta fruta exótica não é a única exportada amplamente por Espanha. Estamos na Andaluzia, onde durante quase 300 dias por ano se pode ver o sol.

Este lugar é chamado "horta europeia de fruta tropical", graças ao clima subtropical perfeito para cultivar mangas e abacates.

Diz Francisco Nieto, gestor de campo: "Devido à riqueza em vitaminas, à doçura e à falta de fibras, a manga é um fruto distinto e é agora considerada nativa de Espanha".

Ao contrário de outros países produtores que transportam a fruta verde - para que esta amadureça durante as semanas de viagem - aqui as mangas, após serem colhidas, em menos de 48 horas estão disponíveis nos mercados. Uma característica própria desta fruta espanhola.

"Penso que o principal é a proximidade do mercado. Estar tão perto do mercado significa que se pode colher a manga no momento ideal de maturação e levá-la para o mercado num estado ideal para consumo. E, obviamente, uma fruta que é comprada a poucos quilómetros de distância tem uma pegada de carbono muito menor", diz Juan Antonio Reyes, CEO e director geral da Reyes Gutiérrez.

Abacates

Há uma fruta tropical que, mais do que outras, impulsionou nos últimos anos uma revolução na cozinha e se tornou tão "na moda": o abacate.

Extremamente rico em fibras, minerais e vitaminas, contém também gorduras saudáveis, fundamentais para a dieta mediterrânica e cuja versatilidade de combinação com qualquer prato lhe confere vantagens únicas.

Graças aos múltiplos benefícios, o abacate é cada vez mais consumido em Espanha, o maior produtor do continente, e na União Europeia.

Mas há algo que pode mudar ligeiramente as coisas: "Devido às alterações climáticas, a chuva é cada vez mais esporádica e, quando chega, é torrencial. Isto afeta-nos no cultivo do abacate porque o abacate não consome muita água, mas precisa de um pouco de água todos os dias. Se há momentos em que não há água, o abacate sofre", diz Enrique Colilles, CEO da TROPS.

É por isso que os sistemas de irrigação são hoje em dia primordiais, para dar água diariamente a estes abacates.