CaixaBank transfere sede social de Barcelona para Valência

O CaixaBank, o terceiro maior banco espanhol, dono do português BPI, pretende reunir esta sexta-feira um Conselho de Administração extraordinário para decidir a eventual retirada da sede social da Catalunha.

Uma medida possível graças a um decreto preparado pelo governo espanhol para permitir a deslocalização de instituições financeiras e empresas sem a aprovação dos acionistas.

Entretanto, o banco catalão Sabadell já decidiu mudar a sede social de Barcelona para Alicante. Os especialistas não se cansam de alertar para os riscos inerentes.

“A queda das obrigações espanholas, a subida das taxas de juro, o aumento dos prémios de risco e o possível bloqueio dos investimentos estrangeiros na Catalunha e em Espanha são os grandes perigos que esta situação económica e política comporta”, salienta Rafael Sambola, professor de Economia da EADA.

As dúvidas que não param de se multiplicar produzem um eco particular no meio empresarial. Fomos perguntar a opinião de dois empreendedores presentes na Semana da Indústria catalã.

“Ninguém sabe o que vai acontecer com o futuro da Catalunha – nem dentro, nem fora de Espanha -, ninguém sabe o que os políticos vão decidir. Isso faz com que os empresários estejam a tentar proteger os interesses das suas companhias e procurar a segurança perante uma situação de incerteza. Temos de jogar pelo seguro”, dizia Víctor Serrano.

“O nosso trabalho é fazer avançar as empresas e seguir em frente, tentando transmitir o máximo de confiança possível e passar a ideia de que isto vai resolver-se de forma pacífica, racional e ponderada, que era o que deviam ter feito”, apontava Carles Ramírez.

Os anúncios do CaixaBank e do Sabadell permitiram inverter a queda do valor em bolsa de ambas as instituições que se vinha agravando nos últimos dias.
Versão original