Catalunha quer diálogo "sem pré-condições", diz Amadeu Altafaj

A Catalunha insiste em pedir mediação internacional para a crise naquela região espanhola.

Amadeu Altafaj, representante do governo catalão junto das instituições europeias, diz que já recebeu muitas ofertas, incluindo da Igreja Católica, mas não aceita pré-condições por parte do governo central de Madrid.

“Se a condição para aceitarem voltar à mesa for que temos de renunciar “a isto ou aquilo”, parece-me que não será a melhor forma de promover o diálogo. Penso que, primeiro, é necessário restaurar uma certa calma, garantir aos cidadãos catalães que a sua segurança não está em risco. Depois, é necessário restaurar o normal funcionamento das instituições catalãs, o que ainda não é o caso”, explicou o representante.

El Europarl_ES informa que no envió ninguna delegación para observar los acontecimientos del 1/10 ni autorizó a hablar en su nombre 👇🏼 pic.twitter.com/kMdYcN2Rdo— ESPAÑA EN LA UE (UeEspana) October 5, 2017

O Parlamento Europeu europeu realizou um debate sobre o referendo unilateral de 1 de outubro e a violência policial usada para o impedir, mas o governo central espanhol recusa qualquer mediação externa.

“Preferiria que fossem os bons ofícios da União Europeia a ajudar a desbloquear as coisas e que o governo de Espanha acabasse por compreender que é necessário sentar-se à mesa e discutir, em vez de ser por a pressão dos mercados financeiros”, referiu o representante.

ÚLTIMA HORA | CaixaBank celebra mañana un consejo para sacar la sede de Cataluña https://t.co/DnYRkfUoBC— EL PAÍS (@el_pais) October 5, 2017

As autoridades catalãs dizem que os resultados da votação criaram condições para declarar a independência, apesar dos apelos que recebem para que não haja mais provocação política.

Seria inimaginável para o atual governo e parlamento catalães, com a sua maioria, ignorassem que existe um mandato claro para ir na direção da constituição de um estado independente”, concluiu Amadeu Altafaj.
Versão original