'In the Crosswind': o primeiro filme corajoso e inovador de um jovem realizador estónio

'In the Crosswind': o primeiro filme corajoso e inovador de um jovem realizador estónio
De  Euronews

<p>‘In the Crosswind’ é uma obra cheia de amor que levou três anos e meio a realizar. A estreia do filme coincidiu com a anexação da Crimeia pela Rússia.</p> <p><img src="http://www.euronews.com/media/download/articlepix/crosswind-cb11-bb1-100415.jpg" alt="" /></p> <p>A longa-metragem estónia é uma homenagem à população do Báltico deportada para a Sibéria por Estaline. Do ponto de vista visual, é uma obra única e inesquecível. Para o seu primeiro filme, o realizador Martti Helde escolheu a técnica do ‘tableau vivant”: os atores ficam imóveis, é a câmara que se move.</p> <p><img src="http://www.euronews.com/media/download/articlepix/crosswind-cb11-bb2-100415.jpg" alt="" /></p> <p>O argumento baseia-se nas cartas que as mulheres estónias deportadas escreveram aos maridos. Essas vozes são o fio condutor da narrativa. O realizador justifica a sua escolha estilística com o texto de uma das cartas, onde se lê: “sinto que o tempo parou na Sibéria”. </p> <p>Não há diálogos, apenas uma banda sonora dramática e sons de murmúrios abafados que criam uma sensação de intimidade com as personagens.</p> <p>In the Crosswind’ é um filme corajoso e uma aposta ganha por parte de um jovem realizador talentoso. É pouco provável que tenha visto um filme assim. Espero que goste.</p>