This content is not available in your region

Berlinale marcada pela questão dos refugiados

Berlinale marcada pela questão dos refugiados
De  Euronews

<p>Este ano, a Berlinale fica marcada pela preocupação em torno dos refugiados. Na inauguração do festival de cinema, estrelas como George Clooney e Tilda Swinton chamaram a atenção para a necessidade de ajudar as pessoas que fogem dos conflitos e das crises na Síria, no Afeganistão e no Iraque.</p> <p>“Na Alemanha há debates e controvérsias em torno dos refugiados. Selecionámos muitos filmes sobre a questão. O tema da Berlinale é o direito à felicidade, o que é algo que também tem a ver com os refugiados”, sublinhou Dieter Kosslick, diretor da Berlinale.</p> <p>O diretor do evento disse ainda que o cinema “pode trazer a compreensão do outro e a compreensão de outros países, religiões e filosofias”. Kosslick acrescentou que “a compreensão dos povos foi o tema da primeira Berlinale em 1951 e que, infelizmente, este ano, voltamos ao mesmo tema”.</p> <p>A ajuda aos refugiados dominou igualmente a conferência de imprensa do elenco do último filme dos irmãos Cohen, “Hail Caesar!”. </p> <p>George Clooney anunciou que iria encontrar-se com Angela Merkel. O ator norte-americano e a mulher, a advogada Amal Alamuddin visitaram vários campos de refugiados.</p> <p>“Penso que não se fala o suficiente sobre este tema nas notícias, sobretudo no meu país. Infelizmente, estamos num período eleitoral e há muitas coisas que se passam no mundo que não são abordadas. Amanhã tenho um encontro com Angela Merkel para debater essas questões e ver qual a mensagem que devemos passar e o que podemos fazer para ajudar os refugiados”, disse George Clooney.</p> <p>A questão dos refugiados está bem presente na seleção da Berlinale. O documentário italiano “Fuocoammare” retrata a chegada de migrantes à ilha de Lampedusa, em Itália.</p> <p>A Berlinale termina a 21 de fevereiro.</p>