This content is not available in your region

Porque pagaram 450 milhões por um quadro de Da Vinci?

Porque pagaram 450 milhões por um quadro de Da Vinci?
De  Francisco Marques

<p>O quadro “Salvador do Mundo”, de Leonardo da Vinci, pulverizou o recorde da obra de arte mais cara do mundo ao atingir, em leilão, a soma de 450 milhões de dólares (incluindo 50 milhões de comissões). Foram mais 80 milhões que o anterior máximo detido pelo quadro “Interchange”, do holandês Willem de Kooning.</p> <p>O quadro do pintor italiano foi vendido pela Christie’s a um comprador não identificado, mas a verdade é poucas pessoas no mundo poderiam pagar tanto por uma obra de arte.</p> <p><blockquote class="twitter-tweet" data-lang="pt" align="center"><p lang="en" dir="ltr">So a Leonardo da Vinci painting sells for new world record of $450million (includes auction costs).<br /> What better way to exemplify todays extreme inequality.<br /> The richest 1% own half the world’s wealth. This cannot continue. <a href="https://t.co/HbFxdWXEy2">pic.twitter.com/HbFxdWXEy2</a></p>— Time for Change (@BeyondChains) <a href="https://twitter.com/BeyondChains/status/931057234817290240?ref_src=twsrc%5Etfw">16 de novembro de 2017</a></blockquote><br /> <script async src="https://platform.twitter.com/widgets.js" charset="utf-8"></script></p></p> <p>Wolfgang Spindler, da euronews, falou com Aude Fonlu, leiloeira de arte na Catawiki, em Paris, e perguntou: mas afinal o que é que se passa no mundo da arte? </p> <p>“O que é preciso compreender é que, após alguns anos de estagnação, assiste-se atualmente ao surgimento de novos colecionadores. Surgem da Rússia e de certas economias emergentes como a Índia, o Brasil ou, claro, a China e, é simples, como há mais colecionadores, os preços sobem. Porque todos procuram a obra maior para a respetiva coleção ou para um futuro museu”, explicou-nos Aude Fonlu.</p> <p>A verdade é que existem também certas fortunas inimagináveis para a maioria dos mortais, cujos donos se têm lançado como investidores neste mercado de prestígio. Quem não gostaria de ter um Da Vinci, um Picasso ou um a das expressões da imaginação de Dali?</p> <p>Aude Fonlupt recorre a uma comparação bem popular para tentar explicar estes altos investimentos em obras de arte. “É preciso ter em consideração o contexto, salvaguardando as proporções. 450 milhões de dólares é efetivamente uma larga soma, mas quando pensamos numa equipa de futebol, pelo valor deste quadro do Da Vinci, temos o quê? Apenas dois jogadores. Dois muito bons. Temos Neymar, Messi e é tudo”, aponta a especialista de arte.</p> <p><blockquote class="twitter-tweet" data-lang="pt" align="center"><p lang="pt" dir="ltr">450 milhões pelo desaparecido quadro de Leonardo da Vinci’s “Salvator Mundi” parece uma loucura, até ao momento em que nos lembramos que vale o mesmo que dois Neymar</p>— Joao Quadros (@omalestafeito) <a href="https://twitter.com/omalestafeito/status/930970975142862848?ref_src=twsrc%5Etfw">16 de novembro de 2017</a></blockquote><br /> <script async src="https://platform.twitter.com/widgets.js" charset="utf-8"></script></p></p> <p>Fonlupt reconhece que “450 milhões é muito dinheiro, mas quando comparado com o mercado do futebol ou até com o mercado do imobiliário”, a leiloeira da Catawiki conclui que “afinal” este “não é (um investimento) assim tão louco…”</p> <p>Desconhece-se o novo comprador recordista do mundo da arte, mas olhando às recentes e mais extravagantes notícias do setor, quem sabe a nova extensão do museu do Louvre em Abu Dhabi não seja o destino deste “Salvador do Mundo” de Da Vinci.</p>