This content is not available in your region

A memória das redes sociais: o novo filme de Laurent Cantet chega às salas portuguesas

A memória das redes sociais: o novo filme de Laurent Cantet chega às salas portuguesas
Direitos de autor  euronews
De  Frédéric Ponsard  & euronews

Laurent Cantet, o realizador de "A turma", galardoado em 2008 com a Palma de Ouro em Cannes, regressa à ribalta com um novo filme.

“Arthur Rambo” inspira-se na história verídica de um jovem dos subúrbios de Paris que após um percurso bem sucedido como jornalista, cai em desgraça quando se descobre que, no passado, foi autor de publicações homofóbicas, misóginas e anti-semitas na Internet.

A partir desta história real, o realizador francês criou a personagem fictícia, Karim, conhecida como Arthur Rambo nas redes sociais.

"Ele escolheu esse pseudónimo, o que, por si, é já um retrato da personagem. Há essas duas ambições literárias, Arthur Rimbaud, e depois há o Rambo, a raiva, a violência... Ele está na encruzilhada dessas duas personalidades”, afirmou o realizador francês.

Duas facetas que ilustram a complexidade da sociedade francesa onde os jovens de origem imigrante têm frequentemente dificuldade em encontrar o seu lugar.

"O estatuto de desertor social destes jovens é um estatuto muito frágil. Eles lutaram para se tornarem escritores, é o caso de Karim, o herói do filme. Ao mesmo tempo, ele sabe muito bem que não pertence a esse novo mundo que está muito feliz por recebê-lo", sublinhou o realizador.

A memória infinita da Internet

Uma ascensão magistral seguida por uma queda retumbante. Num filme onde a personagem principal não é nem uma vítima, nem um monstro. É simplesmente um ser humano confrontado com as suas acções e com as consequências dessas ações nas redes sociais.

"Espero que o filme fale claramente da responsabilidade associada ao ato de escrever, face às palavras que o tornaram famoso, mas também face aos tweets que ele escreve em poucos segundos. Uma palavra nunca é insignificante, e acima de tudo não é apagada, a Internet tem uma memória infinita", frisou Laurent Cantet.

O filme chegou às salas de cinema em França e Portugal.