This content is not available in your region

Rap no Jazz à Vienne

euronews_icons_loading
Festival volta a encher o famoso anfiteatro romano
Festival volta a encher o famoso anfiteatro romano   -   Direitos de autor  Euronews
De  euronews

O festival Jazz à Vienne está de volta, este ano, com todo o seu esplendor após uma edição mais reduzida em 2021 devido à pandemia da Covid-19.

Este é um dos festivais de jazz mais antigos da Europa e único no mundo devido ao seu anfiteatro romano que proporciona um cenário incomparável para ouvir a música.

Este ano, MC Solaar, a lenda francesa do rap, abriu o festival com uma mistura dos seus três primeiros álbuns que marcaram a história do rap nos anos 90, com uma forte influência do jazz.

"É um renascimento... E o facto de estarmos no Jazz à Vienne, é que naquela altura (início dos anos 90), uma das minhas inspirações era o jazz, os compositores estavam a experimentar o jazz ou a misturar "jazz", ou seja, mais musical do que "boom-boom" (com arranjos musicais, e não apenas baseados no BPM, nota do editor). É um grande prazer redescobrir isso. E o facto de estarmos a tocar aqui, com uma Big Band, somos cerca de trinta pessoas no palco... Tocar estas coisas, novamente, é extraordinário", refere o músico.

Um rap mais poético do que agressivo, que busca inspirações no rock, na salsa ou no reggae... reunindo influências de vários continentes, de África à Europa, via América.

MC Solaar diz: "Chamo a isto "À volta do mundo em 45s": temos todo o tipo de música, por vezes temos histórias como as dos 'griots' (repositórios da tradição oral) africanos. Há o poder da música americana como o rap, e temos até França com Serge Gainsbourg, a quem provámos... Basicamente, a música suaviza o coração das pessoas, e não tem fronteiras: isso sempre foi um credo".

MC Solaar conseguiu finalmente relançar os seus três álbuns após um conflito de vários anos com a companhia discográfica Universal que bloqueou os direitos.

Ele está em digressão pela Europa este verão.